Pular para o conteúdo principal

SEM AO CERTO OU ACERTO >> Carla Dias >>

Alardearam meus sentidos: as ideias crivadas em minha cabeça-de-vento; os ideais incendiando platéia de sonhos. As mãos no bolso procurando por moedas que paguem as dívidas das culpas.

Vivendo eu esbarrei com a Logosofia.

Dizem que Logosofia é uma ciência nova, mas qual idade tem a busca pelo conhecimento sobre Deus, sobre o universo e sobre nós mesmos? Veja que não afronto a Logosofia... Estou de namoro com ela, porque não há como não desejar algo que tem, entre suas definições, “a ciência do afeto”.

Vou inaugurar uma ciência e chamá-la “nova em folha”: a ciência de pouco saber sobre e pouco se importar a respeito e tampouco querer notícias de onde. O nada é tão encantador quanto o rapaz que, silente, no seu canto de sala de estar, esparrama olhares dengosos pelo recinto e, claro, há sempre quem os pegue no ar. E o nada dura um sopro, uma piscadela, a sensação de paz reverberando dentro de nós que, segundos depois da sua passagem, já nem sabemos mais descrevê-la. E esticamos a saudade por ela durante décadas e muitas sessões de terapia com profissionais e amigos.

O nada é um milagre efêmero.

Gosto de me ocupar de quem serei um dia, mesmo ao me dar conta de que o faço há tanto tempo que me esqueci de ser quem devia no momento que era para ser e agora pareço desconjuntada. “Desconjuntada” é uma palavra que me lembra um filme sobre um cirurgião plástico que, rejeitado por uma bela mulher, decide fragmentá-la, amputando-lhe os membros. Ele crê que a privando de sua beleza, ela perceberá o quanto necessita dele. Pena que ele não compreenda que necessidade é bem diferente de amor.

O “Eu tenho um sonho...” de Martin Luther King me vem nesse agora. Eu tenho um sonho que é diferente daqueles que são platéia. Tenho um sonho que não foi definido. Começou quando comecei. Tem a biografia em cópia-carbono da minha. Pudesse dividi-lo... Mas como dividir o que não pedem? Um sonho que parece de pura benevolência às 17h58, mas às 21h33 pode se tornar pragmático. Um sonho com nuances. E nonsense.

Ontem foi aniversário de morte de John Lennon. Hoje é aniversário de morte de Clarice Lispector. Já comemorei aniversário de morte de afetos fazendo lista de desejos para se apreciar em vida. Quero ser cremada, não enterrada. Quero ser lançada e sair a passeio com o vento.

Hoje acordei nesse frenesi que nem sei... Alguém sabe? Poderia sair por aí a somar números das casas, carros nas ruas, pessoas na calçada. Somar é o tipo de coisa que faço quando estou em frenesi. E se a soma dá no número 7, eu me descabelo.

Número 7 é sagrado, li em algum lugar de numerologia e já dizia o sábio. História, religião ou ciência, lá está... Uma vez a porta do apartamento era 14 = 7 + 7. Era dia 21 (7 + 7 + 7) e eu fiquei por lá, a ver mar da janela. Esse dia foi de sorte, porque não me distraí com dissabores e o mar inundou minha alma.

Não sei ao certo o que quero dizer hoje. Ou se acerto ao dizê-lo.

Disseram-me que de amor não se sobrevive e eu dei graças. Seria triste sobreviver de amor, quando viver dele me parece muito mais divertido. Beber dele pode até matar a sede. Comê-lo pode ser muito mais prazeroso.

Nem sempre sobreviver é de se festejar.

Quando sobrevivo ao dia, ele me dói devagarzinho às portas do seu final. Não é um final feliz... É um final com máscara de oxigênio, sentimento adestrado, condição para o incondicional.

Sobreviver nos ensina o quanto viver é muito, mas muito mais interessante.

Imagem: Unprofound © Jim

www.carladias.com

Comentários

Hj acordei fazendo reflexões, talvez o fim de ano nos deixe mais nostalgicas, sensiveis...
Vivo do amor, e não consigo ficar sem...
mas sem duvida, impossível sobreviver dele é como se fosse uma falta de ar, fome ou qualquer coisa mais que falta.
Não importa se for o amor de um filho(sempre presente), amigo ou amante...
bj

O.
Também não sei, Carla! Mas que o frenesi foi ótimo, ah, isso foi. :)
Primeira Pessoa disse…
muito legal o blog.
eu estava procurando blogs de crônicas e encontrei pouquíssimos.

a crônica é, na minha opinião, a mais injustiçada filha da literatura. insistem em rotulá-la como "menor".

vivo do ofício de escrever este gênero. podendo, dê uma olhada no meu blog:

www.cronicasderobertolima.blogspot.com

parabéns pela iniciativa do blog.
grande abraço do
roberto.
Seja bem-vindo, Roberto. Bem legal sua reflexão sobre o tempo.
Carla Dias disse…
O... Acho que quem não tem medo de encarar o amor o compreende dessa forma, não? Compreende que não há sobrevivência que o cultive e o mantenha. É preciso vivê-lo.
Beijo!

Roberto... Que bom tê-lo por aqui.
Carla Dias disse…
Eduardo... Já que é para não sabermos, que seja em frenesi!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …