terça-feira, 29 de dezembro de 2009

NÃO DOU E PRONTO
>> Felipe Peixoto Braga Netto



Há quem tenha castelos, ferraris, iates. Eu, que não tenho nada disso, tenho entretanto um bem mais precioso: um vidrinho de pimenta vinda lá de Corinto, da Fazenda do Dr. Paulo Machado. Não me venham com permutas. Não aceito cavalos, nem ações na bolsa, nem mesmo um lugar no paraíso. Quero apenas a companhia humilde e sublime desse vidrinho, pequeno mas tão grande.


Não é uma pimenta, é A pimenta. Ao leitor — que eu sei que não a conhece — manifesto meus sinceros pêsames. O quê? Quer provar? Do meu vidrinho? É fácil: basta passar por cima do meu cadáver. Depois, contratar uma horda de mercenários para vencer a Guarnição dos Cavaleiros Defensores da Essência Sagrada (minha versão dos cavaleiros do Santo Graal) e, claro, enfrentar os jacarés, as pontes elevadas e uns oitocentos e doze cadeados.


Nem sempre ela fica em casa. Às vezes a levo para passear. Comer fora é bom. Gosto muito. Desde que esteja bem acompanhado. Da minha pimentinha, lógico. Perto dela, a comida é um coadjuvante. Até certo ponto irrelevante. Eu, tantas vezes, melhorei comidas medíocres com a danada da pimentinha.


Claro que a saída exige certas precauções. Aparato de segurança. O mundo anda perigoso, e quando descobrirem o que carrego comigo minha vida não ficará fácil. Estou até pensando em me mudar daqui depois dessa crônica. Não estarei localizável, leitor, ninguém me achará.


O Dr. Paulo Machado Vieira mora numa fazenda com magníficos ipês. Deve ter sido isso. Será que há ipês na fórmula? Ou serão as quaresmeiras? Não faça isso, Dr. Paulo, eu sou um homem de fáceis amores. Os ipês já roubaram meus olhos faz tempo. Se a pimentinha tem, na sua sublime fórmula, algo dessas incríveis árvores amarelas, aí já era, entrego os pontos de vez.


O segredo, meus amigos, não dou porque não tenho. Nem tentem me sequestrar. Também, se tivesse, não sei se daria. Quem sai por aí oferecendo sua mulher aos outros? Egoísmo é bom e eu gosto!




Partilhar

7 comentários:

Anônimo disse...

O Felipe acaba de criar a
"Mulher Pimenta"....rsssssssss

Muito divertida e literalmente apimentada esta crônica!

um Beijo Novo pra vc!

klaudya

Eduardo Loureiro Jr. disse...

Felipe, depois dessa crônica você vai ter que fazer um seguro-pimenta para proteger o seu vidrinho. :)

Cláudia disse...

Felipe, já disse que a pimenta que tenho aqui em Monts Claros é Pimenta com P maiúsculo, aquela que nos faz confessar crimes e segredos. Quer provar?

PROJEÇÃO DE MIM disse...

Amei essa declaração de amor...

fernanda disse...

se eu disser que não gosto de pimenta você ainda vai continuar sendo meu amigo?

C. S. Muhammad disse...

Eu que nem gosto de pimenta fiquei querendo provar. Afinal, depois de tanto incitar a curiosidade alheia, acho que você acabou fazendo propaganda do seu vidrinho, isso sim. :)

Balaio da Vivi disse...

Oi, FELIPE!
Isso mesmo. Não dá não!
Deliciosa mesmo é a sua crônica e a sua escrita.
Tou seguindo vc e o blog.
Quando vc puder e der, depois das eleições (rs), um dia desses aí de folga, passa no Balaio...
Uma bjoca.
Vivi.