Pular para o conteúdo principal

1 e 70 >> Leonardo Marona

Andando na rua. Faz um calor desértico. Tenho as virilhas em carne viva. As coisas ainda poderiam ser piores – eu já sabia disso. Mas, ao me deparar com um homem muito alto, desajeitado, como que deslocado num mundo fora dos seus ajustes, tão mais perto do sol que eu, com a testa brilhando e a cara de pavor canônico, tenho de repente a nítida sensação de que, sim, o mundo havia sido feito para os meus parâmetros.

Pobres seres gigantes, que se cansam tão rápido de sobrevoar o mundo. Ficamos mais por aqui, por entre pêlos e pátios. Os mictórios – aleluia! – ajustam-se às nossas necessidades. E os peitorais não convidam constantemente à tontura ou ao suicídio. São verdadeiros parapeitos, dissuadem o pulo único.

Pela altura – talvez a visão fragmentada, dissolvida nas multidões em polvorosa – seja um perfeito soldado, a média do homem mundano sem deus ou justificativas, a forma da besta milenar. Colho flores, chupo mangas como qualquer um. Apenas me joguem um par de tênis, serei médio, farei com que sirva. Pedirei licença às velhinhas, farei com que me vejam. Entre as migalhas de um mundo esmurrado, sentarei no meio-fio, as pernas ajustadas à exatidão do suplício, verei facilmente calcinhas, terei idéias com que me ocupar.

Foi andando na rua, debaixo de sol forte, que pela primeira vez me senti completamente inserido, uma referência finalmente do tradicional homo sapiens. Os passos não são imensas aventuras cósmicas, são duros, secos, sub-reptícios, escorregam metalicamente pelas calçadas em chamas.

A melancolia vasta de estar sempre pela metade, na média do todo, a aflição leve de ser despossuído de extremos, isto, convenhamos, é realmente de lascar. Mas é recompensador enxergar as plantas distantes da compreensão dos olhos. Automaticamente elas ganham grandeza, e nós, um pouco de humildade.

Chama atenção como, nos veículos muito ligeiros, posso me agarrar ao puta-que-pariu sem tirar o cotovelo da janela.

Tudo bem que Julio Cortázar e Samuel Beckett fossem homens enormes, e que o próprio Ernest Hemingway não fosse nenhum anão de circo, mas sinto que mais pessoas de 1 e 70 conseguem atingir o equilíbrio da vida, que constitui basicamente em não se suicidar e, se for possível, manter o mínimo do que os sensíveis chamam joie de vivre. Cabe às vezes usar uma escada.


www.omarona.blogspot.com

Comentários

Muito boa essa crônica do homem médio, Léo. :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …