Pular para o conteúdo principal

MEIA-BOCA >> Eduardo Loureiro Jr.

Lenir - FlickR.com
"Pelejar pelo exato dá erro contra a gente."
(João Guimarães Rosa)

Tem gente que só quer do bom e do melhor. Para mim, o bom já está bom; só quero do melhor se não der muito trabalho.

Querer ser o melhor — e ter o melhor — normalmente necessita de um esforço que não vale a pena que o próprio esforço criou. A dor é um bom limite. Se está doendo, então já está perto da hora de parar: a partir daquele ponto, um aumento do esforço não vai melhorar muito o resultado.

Sabe aquelas coisas de "vou atravessar a cidade para comer AQUELE bolinho de bacalhau, o melhor do mundo"? Ué, mas se tem um bolinho de bacalhau bom já ali na esquina, por que pegar carro, ônibus, táxi? Sai mais em conta caminhar até o bolinho mais próximo. Em matéria de culinária, não tenho muitas papas na língua. Sou incapaz, por exemplo, de identificar coentro numa comida: e tem gente que detesta coentro, quer lamber o tridente do diabo mas não trisca a língua em coentro. É a turma que quer o melhor, que quer o perfeito, para quem tudo deve ser daquele jeitinho ideal.

Ideal é um bom nome para padarias — Padaria Ideal, o seu paõzinho perfeito — mas, no dia-a-dia, eu prefiro o real. E o real quase nunca é perfeito, está mesmo longe de ser o melhor. Tem gente que compra o mais barato, tem gente que só paga pelo melhor. Eu escolho o mais-ou-menos, o meia-boca, o morno que muita gente vomita.

Praticamente nada do que faço recebeu ou receberá o adjetivo superlativo de bom: o melhor está fora de minhas pretensões. Meus textos — esta crônica, por exemplo —, minhas músicas, minhas aulas, minhas análises de mapa astral, qualquer tarefa que eu desempenhe — de desentupir uma pia a fazer turismo numa nova cidade — traz sempre a marca do "se já 'tá bom, 'tá bom".

Entre a dona Qualidade e a dona Quantidade, fico com as duas — mas não sacrifico a segunda pela primeira. O tempo e a paciência perdidos na tentativa de fazer do bom o melhor poderiam ser empregados em outras coisas. Em vez de gastar o juízo para compor a canção perfeita, faço logo umas dez seguidas e, com sorte, algumas delas ficam bonitas. Não sou um daqueles para quem a busca da perfeição leva à perfeição. O que me aproxima da perfeição é a prática constante e fiel do erro.

E se há mesmo que se fazer o esforço, é bom que se produza muito. Eu que não vou botar óleo numa panela — e depois ter o gordurento trabalho de lavá-la — só pra comer uma cuiazinha de pipoca. Se é pra fazer pipoca, que a espagueteira fique cheia delas. Espagueteira, sim. Só usa pipoqueira quem quer a melhor pipoca, o que, vocês sabem, não é o meu caso.

A única coisa que fica perfeita com o esforço concentrado é o estresse. O que tem de gente perfeitamente estressada é uma beleza. E como é que se saboreia o perfeito bolinho de bacalhau ou a perfeita pipoca quando se está perfeitamente tenso? E como é que se admira a perfeita canção ou o perfeito texto quando se está perfeitamente exausto? Não sei a resposta, nunca fiquei perfeitamente estressado, não faz parte da minha realidade. Para mim, de estresse já basta o ruim, não quero saber do pior.

Essa história de olho clínico, de ouvido absoluto e de paladar sensível no mais das vezes só atrapalha. Não é coisa de mestre nem de gênio. Não é chique, é chato. Porque tem hora que as pessoas que querem o melhor começam a querer o seu — o meu — melhor. E aí é um tal de "faz isso assim", "você devia fazer assado", "o potencial você já tem, basta se dedicar um pouco mais"...

Já foi-se o tempo em que eu era cu-de-ferro, o primeiro da classe. Hoje em dia, gazeio aula para jogar porrinha no pátio e fico contente se passar por média. Que os outros pelejem pelo exato. Eu prefiro passear pelo descabido.


Comentários

Nao acredito em exato, verdades absolutas, e ainda acho que mta teoria faz mal...
Mas td que faço, tem paixão, sou intensa, então para mim atravessar a cidade em busca do bolinho de bacalhau perfeito é a minha cara...
Abraços

O.
Valdir Jorge disse…
Adorei o "se já 'tá bom, 'tá bom". É meu lema de vida, mesmo se nunca coloquei em palavras assim.
fernanda disse…
nossa, esse texto é a minha cara. agradeço todos os dias por não ser uma perfeccionista. se fosse, enlouqueceria. principalmente por conta da minha rotina de jornalista que me obriga a escrever textos a toque de caixa. não dá pra ficar esperando a inspiração baixar e produzir o melhor texto do mundo. o que não significa que eles ficam ruins, como vc msm observou. as pessoas exigem demais de tudo. mas como bem disse da vinci: a simplicidade é o último nível de sofisticação.
beijos!!
Anônimo disse…
Carissimo, eu sou designer gráfico, e na grande maioria das vezes por motivos de "força" maior (tempo, chefia e clientes) eu viro e digo assim...
"pra quem é tá bom"....rsssss
e parto pra outra.
Mas nem por isso meu trabalho fica ruim, no mínimo, "meia boca", como diz vc....rsss.
Adorei sua crônica! (boca inteira)
beijo
klaudya
Felipe disse…
Pra mim o "pelejar pelo exato" depende do assunto. Pra algumas coisas, sou metido a perfeccionista e vou às últimas conseqüências em busca do perfeito. Para outras, prefiro o que está bom, se já está bom.

Eu me contento com a pizzaria da esquina se não posso ir à minha pizzaria preferida, mas sou capaz de viajar 70km de Recife a Porto de Galinhas só pra comer um ensopadinho de caranguejo feito por dona Marinete.

Tudo depende. ;)
r a c h e l disse…
Olha, como sempre você escreve muito bem. :) Mas que eu vou cruzar meio mundo pra catar o tal do bolinho de bacalhau eu vou. Agora, se for ficção ou invenção da minha cabeça, aí o real mesmo me basta... rs.

Beijo querido! Saudades! Quando vens pro sul?
A praticidade do simples e a sabedoria de encarar o mais inflexivel de forma flexível.
Muito boa crônica, direta e profunda, como qualquer coisa que valha à pena deva ser.
Tá certa, Oriane! E traz um bolinho pra mim, viu? :)

Eita, Valdir, acertei no seu lema? Então acho que vou jogar na mega-sena. :)

Fernanda, você acrescentou a palavra que faltava ao meu texto meia-boca: simplicidade. :)

Klaudya, adorei o "pra quem é tá bom" e a boca inteira. :)

É verdade, meu amigo: tudo depende. Mas "depende" é uma vara muito longa para eu cutucar onça. :) Será que a Dona Marinete fica tão feliz quanto eu quando você dá o ar da graça? :)

Rachel, quando você comenta, eu sempre tenho a sensação de que atingi o ponto G da escrita. Que lhe baste o real, que lhe bula o bolinho. Sem previsões de viagem. :)

Grato, Alberto. Saudações até Vitória da Conquista!
Carla Dias disse…
'Descabido' é um lugarzinho que guarda suas riquezas, as suas peculiares belezas, os seus cantos escuros e sem preguiça de nos atiçar a imaginação... Tô indo e te encontro lá, tá?
Carla, acredita que quando escrevi a palavra "descabido" me lembrei logo de você? :) Coincidência você ter comentado justo a partir dessa palavra.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …