Pular para o conteúdo principal

ÍNTERIM >> Carla Dias >>


Tenho idade para ser a mãe do vento. Minto constantemente ao tempo só para pregar peças nos anos da minha maturidade. Tenho quase tantas décadas, que as tais quase nem me cabem. Ao menos não de acordo com as minhas contas.

Na maioridade do sentimento, aprendi que pernas bambas é sinônimo de desejo irreparável. Antes dela, minhas bonecas brincavam de heroínas, correndo por morros sem perderem o fôlego ou as batalhas. Então, que as mãos que hoje tocam os ponteiros do relógio andam descaradamente transformadoras, levando à loucura os séculos, fazendo com que caibam em segundos que antecedem as mais intensas experiências.

Os destinos, os fios de cabelo, as intenções, os mistérios andam trançados.

E a duração do êxtase deixa marcas na memória dos sentidos. Como quando descobrimos o sabor do sorvete preferido, ou a quentura da língua querendo nos arrancar um gemido. As costas da mão escorregando pela nossa face, com a maciez do afago desejado. A outra mão empinando sonhos, num quando onde cabem trezentos e sessenta e cinco mil possibilidades de se alcançar a vastidão do sentimento sem dó, musicado aos acordes do infinito. Sorrindo admirações secretas.

Seria mãe da lua não quisesse me valer dela como abrigo. Tenho idade para isso. Já contemplei vendavais, revoluções; escondi-me em salmos, debaixo de pedras, num por do sol de quinta-feira, dentro de um copo de água sorvida pela própria sede, debaixo do corpo que abrigava um amor que era sincero.

Mas agora, nesse já que não dispensa urgência, necessito de dias, tempos, entremeios para me recuperar da idade de cada cansaço. E aquietar os arpejos das cicatrizes, o olhar de mudança para lua. Um abrigo cortejado pelo silêncio e abraçado por melodias inéditas.

www.carladias.com



Comentários

Juliêta Barbosa disse…
Carla,
O último parágrafo do seu texto é um afago para minha alma dolorida.Obrigada e parabéns.
Ana disse…
Carla,
lindo, terno e quase triste.
Eu tambem sinto meus anos não me cabem. Mas nunca soube dizer isso em palavras...
beijos
Ana
Uau, Carla! Que primeira frase, hein?! Uma verdadeira aula de escrita. Fiquei até com medo de ler o restante da crônica e ela não estar à altura do início. Mas você manteve o pique e o ritmo de belas imagens e fluidas palavras até o final. Grato pela aula. :)
Debora Bottcher disse…
Que texto belíssimo! Sua expressão de anos que nos pesam é perfeita. Eu não conseguiria definir tal sentimento com tanta delicadeza e objetividade - e sinto o mesmo...
Super beijo.
Carla Dias disse…
Juliêta... Que sua alma encontre muitos afagos.

Ana... O quase triste sempre nos faz pensar com mais carinho na felicidade, não? Podemos ser quase tristes, mas quase felizes é que são elas. Certas coisas, s por inteiro...

Eduardo... Cá estou, feliz que só com o seu comentário. É sempre bom quando conseguimos manter o passo... o ritmo, o laço, a força das palavras que cultivam imagens.

Ah, Débora... Que essa nossa parceria de sentimento e percepção seja apenas algumas contas desse rosário. E que mais tarde possamos falar sobre o alívio desses cansaços que nos distraem das intensidades.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …