Pular para o conteúdo principal

BENJAMIN BUTTON E A PRESENÇA DE SATURNO [Ana González]

Você pode acreditar que uma personagem nasce com mais de oitenta anos e morre bebê? Não dá para acreditar, a menos que saibamos que se trata de arte literária ou da mágica do cinema.

A verossimilhança da obra de ficção bem realizada faz milagres. E nossa mente deixa-se conduzir com prazer e admiração perante a obra que nos rouba a atenção.

Benjamin Button me roubou de mim mesma. A imagem de um relógio inicia o filme, com os ponteiros andando para trás. Ele representa a dor de uma perda e a fantasia do tempo que volta e recupera tudo o que não se quer perder. É uma tentativa desesperada para negar a dor do inexorável, para refazer o caminho do desejo humano. Inexorável caminho do tempo, marcha da vida. Esse relógio indica que o caminho será esse: bonito e difícil.

São muitas as personagens de toda uma vida que se movem dentro da história. Encontros e separações, figuras poderosas e humildes, todas grandiosas carregando a seu modo o drama de suas vidas. Cada pessoa sendo o que é nas circunstâncias aceitas. Assim fala a narrativa. Assim fala a vida.

Rompe-se o paradigma do tempo tal como o conhecemos, representado no personagem principal. Rejuvenescer pode ser tão perturbador quanto envelhecer. Não se trata de uma simples história de amor. O tempo saturnino é dono de toda a narrativa. É a história do tempo, de como vivemos a marcha do tempo, que por meio de ranhuras e de estranhamento nos acorda para nossa finitude e fragilidade. Não escapamos de dores e de angústia, tão humanas.

A presença do amor e da sutileza pode ser solução ou alívio para essa constatação terrível. Essa presença de várias maneiras aparece e salva as personagens. Seja na visão de um nascer do sol, em silêncio ou no encontro para ouvir a descrição do movimento das asas de um beija-flor. No sacrifício do cumprimento do dever, na brincadeira entre crianças ou no momento do amor. Por essa presença e seus significados, a vida deve valer a pena. Puros momentos de poesia.

Saturno, em toda a sua grandeza de mestre que fala a verdade da vida, vem representado na dureza e na doçura, nos vários aspectos da vida em suas dores e amores. Ao pai que rejeita seu filho é dada a possibilidade de resgate no gesto que recupera a hierarquia. À vocação da mãe que não questiona os fatos, o gesto sempre generoso. Ao artista, a glória da realização. Ao aparente desencontro na vida, a possibilidade do amor que se constrói ao longo dos anos. Às verdades que são reveladas, sentimentos paradoxais e perplexidade.

Saturno mostra-se mestre na linguagem do amor, do silêncio e do equilíbrio mesmo que por dentro de muitas dores. Para os astrólogos, ele está em seu trono no terreno do relacionamento. Pode parecer estranho, mas é a maneira como o símbolo astrológico nos fala da austeridade se complementando no amor e na delicadeza. Assim, no signo de Libra, Saturno impera e marca importância. E o filme nos fala disso tudo com poesia e beleza.

A mansidão de Benjamin, que permeia seus comportamentos, nos diz de sua capacidade imensa de não se rebelar perante a marcha dos fatos. Ele é especial, sua 'mãe' sempre soube. Esta talvez seja sua marca diferencial: o gesto amoroso perante tudo: sejam perdas, sejam alegrias. De forma saturnina, ele presentifica o símbolo do tempo e da revelação salvadora para a natureza humana.

No final do filme, o relógio do início, depois de algumas décadas de funcionamento, encontra-se desativado. Foi substituído por outro moderno, digital, que funciona de acordo com o que se espera dele. O velho relógio então é tomado pelas águas de uma inundação, o que serve para de novo marcar a fragilidade de nosso desejo e de nossos recursos contra a maioridade da vida. São águas que destroem definitivamente o desejo e a onipotência humana. A intenção do início não se sustenta. Mas houve uma revelação salvadora, aquela do amor e da poesia possível. A cada um, a sua escolha.

No meio da narrativa, à pergunta de Benjamin a respeito dos motivos de sua diferença, sua mãe adotiva simplesmente responde: “Um dia, Deus vai nos dizer”. Deus não diz explicitamente, ela sabe que Ele não dirá. Os fatos dirão, o amor e a sutileza dirão. Ela viveu essa experiência e sabe que Benjamin também viverá, pois ele escolheu o caminho do amor.


Imagens: Benjamin Button, Pôster de Divulgação; Saturno, Roger Ressmeyer (NASA)

Comentários

Ana, bela reflexão sobre um belo filme.
Debora Bottcher disse…
Uma bela reflexão sobre a vida com base num filme belíssimo. Somos aprendizes do tempo, mas parece que nunca aprendemos, nunca chegamos a tempo onde queremos... :)
Super beijo, querida.
Anônimo disse…
Anuska

O senhor do tempo tem um segredo: como decodificar a vida, não em termos humanos, mas em termos universais. Decifra-me ou devoro-te, ele diz a cada um de nós. E nem sempre a resposta dada é a correta.
O senhor Button tem a dele e que, no fundo, é a nossa: aceitar a própria vida como ela é, única, pessoal e intransferível.
Lindo texto.
Beijoca

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …