Pular para o conteúdo principal

A FOLHADA BOLACHA DO SER
>> Eduardo Loureiro Jr.


As pessoas mudam. Nem sempre para melhor.

Veja o meu caso, por exemplo. Antigamente era comum eu ouvir de meus poucos e bons amigos: "Eduardo, eu o achava tão antipático quando o conheci!" Pois eu mudei. Embora não seja uma pessoa muito falante, já passo uma primeira impressão mais positiva, simpática. Meus amigos continuam bons, e agora são muitos.

Você sabe o que um boné disse para outro boné?
"-- Bom, né?"

Pois era o que eu me dizia até um dia desses: conhecer mais pessoas, fazer mais amigos... bom, né?

E você sabe o que o boné disse para uma caixa cheia de bonés?
"-- Muito bom, né?"

Ser uma pessoa mais simpática... muito bom, né?

Mas essa história de usar boné às vezes dá um calorão na cabeça. Ao invés de poucos amigos simplesmente comentando uma antipatia que já era passado, e que não havia impedido a amizade, agora ouço muitos amigos reclamando sutilmente: "Eduardo, você era tão simpático quando eu o conheci!" E adianta eu dizer que já melhorei bastante, que eu não era simpático de jeito nenhum e que meus amigos devem se contentar com essa minha pequena simpatia inconstante? Isso é o que dá acostumar mal as pessoas -- acostumá-las ao nosso bem.

Eu poderia ser como Álvaro de Campos, do outro lado da rua, à frente da tabacaria:

Conheceram-me logo por quem não era e não desmenti, e perdi-me.
Quando quis tirar a máscara,
Estava pegada à cara.

E em mim são tantas as máscaras. Sou feito bolacha folhada, camada por camada, desfazendo-se nos dedos e na boca. Caiu-me primeiro a antipatia. E agora é preciso que a simpatia também caia.

Oswaldo Montenegro foi o primeiro a morder a concretude crocante de minha simpatia:

Quantos defeitos sanados com o tempo
eram o melhor que havia em você?

De vez em quando sinto uma saudade esfarelada de meus defeitos: vontade de deitar na rede da preguiça, de isolar-me em meu silêncio por dias seguidos, de perder tempo assistindo a um jogo de futebol, de soltar os cachorros quando alguém tenta espiar pela fresta do muro, de pensar só em mim, em mim, em mim...

Bons tempos aqueles em que eu era tão ruim que qualquer coisa de bom que eu fizesse era celebrada. Agora que estou melhorzinho, qualquer coisa errada que eu faça é logo chamada a atenção.

E no entanto não há volta. A bolacha é varrida do chão ou dissolvida na boca. A vida segue: um mal que vem pro bem, um bem que vem também pro bem, mesmo que por tortuosos olhares que parecem tortuosos caminhos.

No filme Asas do Desejo, pode-se ouvir a voz do narrador:

Quando a criança era criança,
Ela caminhava com os braços balançando,
Ela queria que a ribeira fosse um rio,
O rio, uma torrente
E uma poça d'água, o mar.

E Rilke nos leva além da criança:

Quando eu era criança, falava como criança,
Pensava como criança, raciocinava como criança.
Desde que me tornei homem, eliminei as coisas de criança.
Hoje vemos como por um espelho, confusamente;
Mas então veremos face a face.
Hoje conheço em parte, mas então conhecerei totalmente
Como eu sou conhecido (o eu que sou eu, não mais serei...)

Conhecer-se totalmente como se é conhecido. A transparência. O gosto bom da bolacha na boca, antes de escovar os dentes.



Comentários

Juliêta Barbosa disse…
Eduardo,

Esse texto estava escrito dentro de mim. Que bom que a sua competência e delicadeza trouxe-o à tona.Obrigada!
Juliêta, foi uma alegria saber que (re)escrevi um texto que já estava escrito dentro de você. :)
C Letti disse…
Hm.
beijo, simpático!
Claudia, você é suspeita. :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …