Pular para o conteúdo principal

O NATAL É UM QUINTAL >> Carla Dias >>

A menina quer ganhar um pintinho no Natal, ignorando completamente que, quando crianças, minhas irmãs, primas e eu não podíamos ouvir o barulho do berro do homem do megafone, que corríamos com as garrafas nas mãos, das quais, dedicadamente, tomáramos todo guaraná, dias antes.

Trocávamos garrafas vazias por pintinhos... O que poderia ser mais terno? Dar algo vazio e pegar uma vidinha na mão, frágil, mas bem nervosinha, porque eles bicavam mesmo!Depois vinha a fase difícil: dar-lhes nomes e cuidar deles. Corríamos atrás dos pimpolhos, babadores nas mãos, mamadeiras, gritando seus nomes: Piupiu, Zezinho, Cocoricó, Adalberto (?)... Queríamos que os filhotes fossem nossos, mas quê! Eles se escondiam e sabíamos que, numa hora ou outra, eles atravessariam a cerca e debandariam pelo quintal do vizinho.

Aliás, quintal era o que não nos faltava...

O menino pediu um pássaro de Natal, sem se importar se ele teria plumagem fashion ou, como disse um amiguinho certa vez, ele fosse um verdadeiro “vira-latas” com asas. Disse que adoraria ter uma pipa que não precisasse ser empinada; das que era só soltar que ganhava o céu.

Desde muito cedo o menino foi de apreciar liberdade. Aliás, liberdade era o que não nos faltava no quintal lá de casa.

Todo Natal, eu e meus primos e primas pegávamos a fila da felicidade. Ela ficava num centro social do bairro onde morávamos. Era nesse dia que encontrávamos, fora da escola, todos os nossos amiguinhos, e apostávamos quem ficaria com o brinquedo que o outro pegou no ano anterior. E não importava se as rodas dos carrinhos não rodavam ou se as bonecas não mexiam olhos, pés e mãos. Era tão divertido estar ali e saber que, logo mais, nossos brinquedos se misturariam lá na sala de casa. Nós nos misturaríamos, entre brinquedos, cafés e bolos fictícios, feitos por cozinheiros que mal saíram dos cueiros.

Na frente da casa da vó e do vô tinha um pinheiro de verdade, alto pra caramba, que enfeitávamos na época do Natal. Não tinha banquete, muito do que usávamos vinha do que tínhamos no quintal. E não podia faltar cuscuz no menu, tampouco manjar na sobremesa. Nós acreditávamos que ao comer o manjar estávamos bebendo vinho feito adultos... E nos divertíamos com isso até!

Mas um dos momentos mais emocionantes para nós, crianças envolvidas com os mistérios do Natal, era após o almoço, quando nossas mães montavam uma bancada no quintal e colocavam lá toda a louça suja (éramos uma família muito grande). Enquanto lavavam louça, elas cantavam, feito um coral, e sorriam lindamente, como poucas vezes é possível sorrirmos, durante a vida. E sempre, pouco antes de terminarem, chovia... A feição de nossas mães tomando chuva, apenas reforçava nosso desejo de crescermos logo só para podermos tomá-la também.

Depois, tudo se acalmava. Ainda comíamos as sobras da ceia de Natal durante alguns dias, o que para nós era comida especial, porque representava esse momento em que todos os adultos se reuniam, apesar das diferenças; que nós, as crianças, apesar da disputa pela balança do quintal, desamarrávamos a cara e brincávamos de tocar felicidade.

Tomei muita chuva lá no quintal. Ainda hoje, saio do trabalho em dia de chuva e não abro o guarda-chuva. Deixo que La banhe minha alma e, delicadamente, me leve de volta ao Natal desse quintal que é minha infância.


Comentários

Grato pelo emocionante presente de Natal, Carla. Que você receba um lindo quintal em retribuição por suas belas palavras. :)
cArLa disse…
Carla,
eu que cresci em cidade, sem quintal, tomei emprestado o seu e vivi momentos bons!
Carla, obrigada por me fazer viajar ao passado, embalada nas suas sempre tão bem escolhidas palavras. :)
albir disse…
O natal também me lembra quintal, Carla, mas às vezes me esqueço disso. Seu texto me transporta de volta para o melhor endereço que o natal já teve.
Parabéns, sempre, pela poesia de suas palavras.
Carla Dias disse…
Eduardo... Que esse lindo Natal sobre o qual você fala seja o nosso, não somente meu ou seu... Nosso.

Carla... Quintais, causos, piruetas... Empresto o que for para que a palavra ganhe vida no entendimento com as pessoas. Grata, sempre, pela leitura e companhia.

Marisa... Obrigada a você por ter viajado nas asas dessas minhas lembranças. Ainda hoje visitei algumas delas, na feição da minha mãe; nas palavras das minhas irmãs.

Albir... Nossos quintais são importantes, não? Às vezes deixamos de botar pés e emoções neles, mas estão sempre lá: a nossa espera: balanços e sorrisos.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …