Pular para o conteúdo principal

O MENINO-LUZ >> Eduardo Loureiro Jr.

Resolvi antecipar meu Natal e visitar o aniversariante antes que a casa ficasse lotada de visitantes de última hora.

Ainda não havia me ocorrido visitá-lo. A gente às vezes não atina com certas coisas óbvias, e acaba cometendo absurdos: por exemplo, um aniversário em que a maioria dos presentes são trocados entre os convidados, muitas vezes até na ausência do aniversariante.

Após mais de dois mil anos, esperava encontrá-lo um tanto idoso, de cabelo e barbas brancas, mais parecendo o pai que o filho. Para minha surpresa, ele tinha a aparência de uma criança entre um e dois anos. E confesso que não sei como se tornará um homem moreno de cabelos castanhos e encaracolados, porque o menino é branquinho de cabelo liso e preto.

Ele já é capaz de andar com habilidade, o que não o livra de algumas escorregadelas de vez em quando. Mas não existe praticamente nada que ele não possa alcançar, direta ou indiretamente. Os adultos brincam com máquinas e ferramentas, enquanto as crianças contam com a mais avançada tecnologia que existe: os adultos que lhes fazem todas as vontades, principalmente se você é uma criança cheia de graciosidade como é o caso deste menino.

Embora os pais tentem educá-lo na língua da região, o menino fala uma mistura de japonês com português, sem impedi-lo de inserir fonemas de inglês e possivelmente — eu não conheço bem o idioma — de aramaico. Sua fala divide as pessoas em dois grupos: o "Pá" e os "Údi". Pá se refere a um boneco de aspecto azulado, que suponho ser Deus. "Údi" são todos os demais bonecos — incluindo os adultos. Incrível o grau de síntese que ele conseguiu com a palavra "údi", pois nela já está contida a regra de ouro de fazer aos outros apenas aquilo que queremos que os outros nos façam, e também o duplo mandamento de amarmos uns aos outros e a Deus sobre todas as coisas. "Údi" poderia ser traduzido como o "um di" ou o "um diverso" — poderíamos mesmo pensar que se trata de uma forma compacta de "universo".

Todo filósofo tem suas manias, e esse menino não é diferente: fica de vigília nas madrugadas. Coisa de quem nasceu à meia-noite, já com o hábito de abrir os olhos e o berreiro assim que o dia começa — como se ele fosse o próprio Sol que precisa se aprontar, se aquecer, antes de dar o fogo da sua força pela manhã.

Ganhei a confiança de seus pais e consegui levar o menino para um passeio pelas redondezas. Mas que divertida canseira! Ou ele sai correndo sem querer segurar na mão de ninguém ou faz cara de manha pedindo colo. Não há meio-termo nem chance de ele simplesmente andar de mãos dadas com você. E pela vizinhança todos o conhecem e pedem, quando ele passa: — Luz, luz.

Aos que sempre tiveram dúvidas, eu confirmo: o menino faz xixi, faz cocô, arrota, peida, sua... Não é em nada diferente de qualquer criança, incluindo a característica infantil de deixar adultos exaustos e encantados ao mesmo tempo.

Quando voltei, já pude ver um monte de gente se aproximando — "Menos a cada ano", falou um caminhante para o outro. Mas ao invés de ficar pensando na dureza daqueles que vêm cada vez menos, fiquei foi desconfiado daqueles que sempre vêm: já não era tempo de terem descoberto que o menino, quando saímos, dá um jeito de se esconder entre as nossas vestes e seguir conosco?

De minha parte, vou tratar de mantê-lo por perto. E um dia talvez eu entenda o milagre dele ter permanecido lá e de ter vindo comigo para cá ao mesmo tempo. Criança tem cada uma, nos prega cada peça. E esse menino parece que sabe das peças, das pregas e, por incrível que pareça, também parece saber tudo de cada um de nós.

Comentários

Eduardo, aproveitei e reli uns textos seus com temas natalinos. Valha-me Deus! Que o Menino continue abençoando tanta inspiração e criatividade para escrever sobre o mesmo assunto. E que você O presenteie sendo exatamente o que você é! :)
Anônimo disse…
Bem-aventurados os puros de coração e os poetas...!
A sua amizade foi meu melhor presente deste ano, Eduardo. Grata por tornar-me ao sentir.
Que o Menino Luz continue a brilhar seu coração e a brincar com você em seus dias.
Amém pra ti e pra todos além!
maria
Anônimo disse…
lindos texto e foto... deu até pra respirar um pouco nessa correria consumista de fim de ano e parar pra sentir a presença do aniversariante... Obrigada!
Valha-me, digo eu, Marisa. Eu não sabia que tinha vários textos com temas natalinos. E eu que pensei que minha memória estava melhorando. :)

Assim foi, assim é e que assim seja, Maria. :) Grato,

Seja bem-vinda, Anônima. Venha respirar sempre que quiser. :)
Bosco disse…
Mas que língua fala mesmo, esse menino-luz? Queria aprender as palavras, ou melhor, desaprendê-las, para falar esse idioma do údi. Parabéns. Bosco
Tia Monca disse…
Oi Junoca,
Lindo, lindo,lindo! Que o menino-luz continue iluminando você.
Bjs,
Tia Monca
Ah, se eu também soubesse que língua é essa, João. :) Mas desaprender é mais fácil: é só procurar a criança mais próxima. :)

Grato, Tia. Que assim seja. :)
Carla Dias disse…
Eduardo... Ah, que Deus, menino que só, certamente se sentiu grato pelas suas palavras.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …