Pular para o conteúdo principal

ATÉ O JARDIM >> Carla Dias >>

Durante 2008, deixei registrado aqui no Crônica do Dia tantas e tantas importâncias. Dos shows e filmes que assisti, as tiradas dos sobrinhos; conquistas, percepções, apaixonamentos, decepções, poesia.

De certa forma, o Crônica foi meu diário de bordo, onde tatuei parte de quem sou... Uma parte realmente necessitada da palavra escrita e lida; do compartilhamento com os leitores. Em 2008, aprendi alguns truques de sobrevivência, entre eles um que me ajudou a enfrentar algumas barras: o dane-se.

Permiti que se danassem questões que não eram realmente minhas, apesar de afetarem minha vida. Dei um belo dane-se a elas e fui me virar com as conseqüências, descobrindo que, muitas vezes, melhor é bancar a louca mesmo e sair andando.

Neste último dia de 2008, não tenho uma lista de coisas que fiz e que deveria ter feito, mas ficaram na promessa. Trago, sim, um sentimento estranho de quem sobreviveu, mais do que viveu, a este ano, e que isso foi fundamental para que descobrisse alguns alentos e me desprendesse de vários rótulos que, percebi, andava colecionando.

Perceber é algo bom. Por exemplo, percebi, enquanto escrevia as linhas acima, que ainda há muito a ser vivido. Que experimentar é base da criação; que desejo profundamente que certas coisas – aquelas que posso transformar – mudem de cara, cor e rumo. Que posso e devo me concentrar nessas mudanças, se quiser ter sobre o que falar e o que viver em 2009, 2010, 2011, 2012...

2008 para mim foi um terreno pronto para o cultivo. Lá eu resolvi plantar flores que, acredito, darão em um belo jardim. E sem bancar a preguiçosa, porque isso eu não sou mesmo, quero mais é deitar na rede e me deslumbrar com a beleza desse jardim que, uns e outros, podem até chamar de 2009.

É o que desejo a todos no ano que chega: jardins dignos de serem contemplados. E também o que diz a canção abaixo:


Isopor
(Élio Camalle/Kléber Albuquerque)

Que a luz da lua escorra
Pela pele, pelos pêlos
E que raios de sol
Embaracem seus cabelos
Que a vida lhe dê muita saliva
Pra lamber sonho em carne viva
Que seu riso não tenha o mínimo pudor
Que os ventos soprem sempre a seu favor
Que você encontre a cama feita,
A mesa farta , a casa em festa
Que a boa estrela grude no meio de sua testa
E que o mal tenha paredes de isopor
Tudo de bom... Tudo de bom.



ISOPOR - Kléber Albuquerque


Imagem: Carlos Drexler

Comentários

Carla, que você possa, em 2009, sentir o perfume de cada uma das suas flores plantadas neste ano.
Carla, você escolheu a metáfora certa: o cultivo. Não há erro: plantou, colheu. Suas palavras admiráveis, por exemplo, continuaram me causando admiração em 2008. :)
Marina disse…
Carla,

Feliz 2009!

Suas palavras são solidárias companheiras para tornar a vida compreensível e mais leve.

Obrigada por compartilhar seu modo de viver.

Abraço
Marina

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …