Pular para o conteúdo principal

LEITORA >> Eduardo Loureiro Jr.

Robin Bartholick/CorbisEu estou aqui. Sentado diante de uma tela que começo a preencher com palavras. Você está aí, com as palavras todas à sua frente. Se o tempo desse um descanso em sua mania de passar, você poderia me contar o que eu ainda nem sei que escrevi.

Então vamos inverter os papéis. Eu saio da frente do computador agora, me visto e desço até o jardim. Você me encontra lá, me dá um abraço — se já formos velhos conhecidos — ou então nos apresentamos ("Prazer, sou Eduardo.") e começamos a caminhar.

Enquanto nossos passos se acertam com uma música imaginária — ou mesmo real, "oh, darling, darling, stand by me" — você vai me contando a crônica que eu já — e nem ainda — escrevi.

Para aumentar minha curiosidade, você não começará falando da crônica em si. Falará de como chegou até ela clicando sobre um link do Google — ou de como espera por ela toda tarde de domingo. E depois dirá o que sente, como se sente. Falará das surpresas, dos encantos e das decepções (por que não?).

À beira de um outro jardim, você me chamará para conhecer o cheiro de uma flor que antes, para mim, só tinha cor. E me confessará que eu sou diferente do que faço transparecer na crônica. Se soprar um vento de sinceridade, você dirá mesmo que sou um tanto sem graça e que não sabe como de mim surgiram aquelas palavras tão bem ditas. Eu abrirei meu sorriso feito só de lábios — sem ousar mostrar os dentes — e você saberá que eu sei que você está certa.

— De onde vêm as palavras?
— Eu não sei.
— Mas você é um escritor!
— Eu me sinto mais como um leitor de primeira mão.

E você ficará pensando no que isso quer dizer. E, sinceramente, isso não quer dizer nada. E eu vou me lembrar da famosa carta aos coríntios: línguas e ciências desaparecerão, mas o amor... ah, o amor.

Você respirará fundo, e eu lhe olharei fundo. Você não terá mais vontade de falar sobre a crônica que escrevi, e eu não terei mais vontade de ouvir sobre a crônica que vou escrever. Ela já está escrita e eu só preciso de coragem para atravessar o rio às vezes turvo da memória.

Nós sentaremos à sombra daquela árvore que chove pequenas pétalas lilases, e nossos cabelos ficarão molhados de cor. Eu encostarei no tronco, você encostará em mim e meus dedos tocarão seu corpo como nunca tocaram nenhum teclado.

Adormeceremos ouvindo uma animada conversa de passarinhos, e sonharemos que as plantas e os bichos são gente e que nós somos leves feito o vento.

Quando acordarmos, você me procurará e eu lhe procurarei, mas não estaremos ao lado um do outro. E antes que a sempre ilusória tristeza se faça passar por verdade, você saberei, eu saberá que desde o sono somos um. Não mais ao lado, agora alados, asas de um outro ser.

Comentários

Juliêta Barbosa disse…
“Se o tempo desse um descanso em sua mania de passar, você poderia me contar o que eu ainda nem sei que escrevi.”

Eduardo,
O que eu sei é que ainda sou uma criança, pois tenho a idade dos meus sonhos e esses não acabam nunca. E são tantos que eu, menina, esqueci de virar gente grande. E não sendo gente grande, posso dizer-lhe com a pureza da minha alma infantil: Eduardo, você faz amor com as palavras e o êxtase que elas provocam, arrebata a alma num gozo etéreo.
Grato, Juliêta, pelas extáticas palavras de sua alma infantil. :)
Anônimo disse…
Espero você toda segunda pela manhã... hoje conheci sua voz, não conheço o gosto da sua boca mas acho que estou me apaixonando por você...
Eduardo, "escreler" é o verbo capaz de me fazer retornar renovada depois de tentar, em vão, enxugar um pouco da tristeza e da tragédia dos vizinhos de região. A tristeza invadiu meu coração de uma forma tão intensa que vir aqui partilhar alegrias me pareceu contraditório...Mas isso é outro tema!
Qundo você escreve, suas palavras voam para seus leitores, porém você nao consegue ter a concreta percepção de quantas almas serão alcançadas(e são tantas...). O leitor que aqui chega, não vai embora sozinho. Quando se despede, sua alma está preenchida das palavras do escritor e ele já não se sente só. Acredita que você já é parte dele, seja como amigo, como irmão ou amante.
Mais uma vez, Eduardo, você foi perfeito!
Anônimo disse…
ô "João" do meu coração... vc me faz sonhar mais do que já sou... e eu adoro isso!
Primeira Anônima, tem uma hora em que a gente fica corado e sem palavras. :) E é agora.
Marisa, quando a tristeza me assalta e me faz sentir criança pequena num mundo tão grande, gosto de lembrar das palavras luminosas de um sábio que disse, certa vez, "nem tudo é o que parece, e não há injustiça". Veja se conseguem trazer algum conforto pra você. // Com seu "escreler", você conseguiu definir o que tenho feito, o que tenho escrito, há mais de um ano. Grato por revelar o ato que me faz sentir um "leitor de primeira mão". // E devo dizer, ainda, que mesmo inconsciente do impacto de minhas palavras nos outros, é também de amizade, fraternidade e amor o impacto delas em mim.
João?! Ah, lá vou eu nos caminhos da adivinhação de novo, segunda Anônima... :) Eu adoro o seu sonhar.
Ana disse…
Fiquei sem palavras...
bjs
Ana
Ana, é uma honra deixar uma de minhas escritoras favoritas sem palavras. Mas trate de recuperar as palavras até amanhã: ler sua crônica de quinta-feira já se tornou um delicioso hábito para mim. :)
Carla Dias disse…
Eduardo,
Achei no mínimo deslumbrante essa idéia de colocar presente e futuro frente a frente; de namorar possíveis encontros entre quem escreve e quem lê. Emendar histórias... Ir além com a graça que, sempre, lhe é grata.
cArLa disse…
Caro Eduardo,
Obrigada pelo passeio. Obrigada pelas asas. Obrigada por me deixar fazer parte desta crônica-momento.
Carla, por que será que quase sempre que a gente não tem a mínima idéia do que escrever acaba saindo alguma coisa com que as pessoas se deslumbram? :) Sou grato à graça.

cArLa, que bom que você veio ser parte, passeio e asas. :)
Anônimo disse…
Fiquei impressionada com o que você escreve. Eu gosto destas estorias que começam com um pensamento ou uma ação silenciosa e depois termina como sussurro no ouvido. Acredito que o romantismo não morreu e um amor com historia sempre prende a atenção de quem esta vivendo, de quem esta vendo e de quem esta ouvindo!! E.... Imaginar é tudo de bom.
Grato, Anônima. Continuemos imaginando então...

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …