Pular para o conteúdo principal

GESTAÇÃO >> Carla Dias >>

Aprendi a aninhar nos braços o sonho mais arredio, daqueles que atiçam a inventividade com solicitude; que aninhavam iguarias: fé, tempo, desejo.

O olhar que lhe rogo o acompanhará em vigília, num cuidar de santo não-canonizado, que quer mais é benquerer sem que o aborreçam os limites gerados por puro ócio espiritual. Pois, sim, vivem nos viés da estima a intranqüilidade dos poros. Arrepiam-se os pêlos ao retesar das cordas dos alaúdes. E trafegam mistérios nada castos por entre os fios dos seus cabelos.

A crença me impele a aceitar: o tempo leva tempo. Ele traga nossas fantasias mais anárquicas, transformando-as em fragmentos de uma busca que reconhecemos apenas mais adiante, num quando que, a princípio, julgamos ser tarde demais. E ‘tarde demais’ pode ser apenas um jeito preguiçoso e menos cruel de renegar nossas desistências.

Leve com você um naco da minha simpatia e não desfira a ele a insignificância. A grandiosidade mora numa casa pequena e úmida; a cabeça deitada no ombro da esperança. Vez ou outra, reconhece a si na luz que entra pela fresta, e alimenta sua existência quase sempre solitária. Dá as mãos ao reconhecimento e sai para dar uma volta. Mas sempre volta... Casa pequena e úmida. Solidão.

Aprendi a me entregar aos labirintos nos quais me aventuro. Despida do mapa que indica rotas de fuga, caminho lentamente até chegar no onde, sem pressa; e a encarar o quando sem medo.

Leve um pouco da minha ausência, para que não me esqueça. E um tanto de esquecimento, para que me resgate em pensamento, de vez em quando. Neste momento, meu canto é das cantigas, nessa gestação que dará a luz que avançará aos túneis, às ruas, às salas das casas. A luz das velas, dos holofotes, das estrelas... Do sorriso da menina ao receber um elogio merecido.

Todo belo se dependura no tempo; transforma-se com ele. E requer gestação.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …