Pular para o conteúdo principal

A ORAÇÃO DO PAJÉ >> Albir José Inácio da Silva

Desde fins do século passado, ventos ecumênicos têm aproximado cristãos de alguns inimigos históricos. Nessa onda é que o arcebispo convidou para a festa de Natal lideranças de cada religião que conseguiu encontrar. Assim vieram bispos, rabinos, líderes muçulmanos, pastores, babalorixás, monges budistas e até um pajé. O pajé foi o último a ser lembrado porque religiões animistas não têm lá muito prestígio. Além disso ele não tinha e-mail, fax nem telefone. O pajé venceu muitos quilômetros de selva para estar ali. Em compensação, os anfitriões concederam-lhe a honra de pronunciar a oração antes da ceia. O pajé, que começava a conhecer o mundo através de aulas gravadas de telecurso, fez a sua prece, provavelmente cometendo algumas injustiças.

"Ó grande Tupã que sabes todas as coisas, venho te pedir ajuda para estes irmãos confusos reunidos aqui hoje para celebrar o nascimento de Jesus. E que parem de se agredir como têm feito desde que se entendem por fiéis.

Que cristãos não matem muçulmanos em cruzadas pela posse de túmulo vazio, já que Cristo ressuscitou.

Que muçulmanos não massacrem cristãos, judeus, ateus e quem mais estiver no onze de setembro.

Que cristãos não exterminem judeus no holocausto em nome da superioridade da raça.
Que judeus não massacrem muçulmanos em Gaza, em campos de concentração iguaizinhos aos alemães.

Que cristãos católicos não matem cristãos protestantes em noites de São Bartolomeu.
Que cristãos protestantes não chutem mais os santos cristãos católicos.

Que umbandistas não sintam mais vergonha de declarar sua religião ao censo.

Que cristãos não chamem mais de demônios os deuses do candomblé.

Que todos sejam perdoados por suas maluquices fundamentalistas.

Que todos sejam perdoados por atribuir à vontade de seus deuses essas maluquices.

Que Jesus, Maomé, Jeová, Buda e os Orixás se encontrem no paraíso e tracem um plano para que seus fiéis egoístas achem uma forma de convivência e respeito mútuo; descubram uma maneira racional de obedecer aos mandamentos contidos em todos os livros sagrados e não ao ódio instilado em seus corações pelos que transitam hipocritamente por qualquer religião com o único objetivo de satisfazer interesses pessoais.

Que os amigos sorriam confiantes de poderem ter a religião que quiserem, ou nenhuma, porque vão continuar amigos.

Que compreendamos que respeito às diferenças não é virtude, é dever de quem se pretende humano."

Feliz Natal!

Que possamos todos participar da festa cristã. E das outras também.

Comentários

Vixe, Albir! Eu andava procurando um sentido para este Natal tão comercial de empurra-empurra nos shoppings da cidade. Que bom que você me apresentou o seu amigo pajé bem em tempo de eu me juntar a ele nessa bonita e verdadeira oração. :)
estrela disse…
Amen!!!!!!!!

Boas Festas, Estrela
Só pra dizer, Albir, que você é um sacerdote das palavras. :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …