Pular para o conteúdo principal

MANUAL DA PROPRIETÁRIA >> Eduardo Loureiro Jr.

Randy Faris/CorbisEssa semana uma conhecida (que eu tomava por beata) falou que tinha uma lista de homens casados, todos sempre disponíveis: bastava estender a mão e pegar. Veio-me a imagem dela percorrendo corredores de um supermercado com homens expostos nas gôndolas, e ela os pegando com a mão e colocando no carrinho. Eu me lamentei, dizendo que nós, homens, estávamos virando objeto de consumo, e tudo que ela me respondeu, sem nem tremer, foi: "Fica triste não. Fomos e somos objetos de consumo bem antes de vocês."

Ocorreu-me então, dado o inevitável fenômeno, providenciar ao menos um pequeno guia para nossas compradoras, um manual da proprietária. Espero que seja útil e que possa minorar possíveis danos ao produto e melhorar o aproveitamento por parte do cliente.

*

INTRODUÇÃO
O homem que você acaba de escolher é um produto dos padrões de qualidade da Natureza do Brasil. Obtenha o máximo aproveitamento do seu homem. Para tanto, basta consultar e seguir criteriosamente as instruções deste manual.

A Natureza do Brasil reserva-se o direito de introduzir quaisquer alterações nos seus produtos e equipamentos, a qualquer tempo, sem incorrer em qualquer obrigação.

1. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS
Alimentação: vitamina (leite de soja, banana, mamão, aveia, linhaça), tapioca, bolacha de água e sal, geléia, baião-de-dois, carne de sol, paçoca, cajuína, pão integral, queijo coalho.

Potência: nível médio. Não funciona por mais de três horas seguidas, independente do tipo de trabalho, precisando de reposição energética em forma de descanso, preferencialmente numa rede.

Sistema de escapamento: funcionamento diário pela manhã. Eventualmente à tarde e à noite, sempre tendo um livro, revista ou palavra-cruzada à mão.

2. IDENTIFICAÇÃO
O homem possui seu nome numa carteira de identidade, mas não convém chamá-lo pelo nome inteiro, que é longo. Adquirida alguma familiaridade com o produto, pode-se chamá-lo por um apelido, desde que carinhoso.

3. INSTRUMENTOS
O homem adquirido trata-se de um homem normal, padrão, destacando-se apenas os olhos (de cor variável) e as mãos (extra macias, à diferença das demais mãos masculinas). É provável entretanto que outras diferenças sejam percebidas com o uso. E a Natureza do Brasil sempre equipa seus produtos com alguns brindes, pequenos tesouros, que cabe à proprietária encontrar.

4. FUNCIONAMENTO
Convém pedir, nunca mandar. O homem funciona melhor em ambientes com poucas pessoas e em que haja predomínio de música sobre conversa. É muito sensível ao toque, podendo surgir alterações de forma e volume. Desliga-se automaticamente por volta das 22h, voltando a ligar às 6h do dia seguinte. Convém também programar um desligamento preventivo de 13 a 14h da tarde.

5. CUIDADOS COM A APARÊNCIA
Aconselha-se passar-lhe a mão pelos cabelos ondulados e assanhados, bem como corrigir um ou dois pêlos da sobrancelha sempre que necessário. Para manter o brilho do sorriso, recomenda-se carinho, leveza e bem-querer.

6. SISTEMA ELÉTRICO
Dotado de intensa eletricidade mental, o produto adquirido pode aquecer demasiadamente a cabeça ao pensar em uma ou várias idéias ao mesmo tempo. Entretanto, convém não tentar desligá-lo abruptamente neste momento nem interrompê-lo com outros assuntos de menor potencial criativo. Recomenda-se silêncio ou, no máximo, uma escuta atenta expressa em pequenas e pausadas perguntas.

7. CONSERVAÇÃO
O homem é auto-limpante, pelo menos em linhas gerais. Para uma limpeza mais profunda, é aconselhável uma esponja com bastante sabonete líquido passada pela própria proprietária com uma das mãos enquanto a outra mão faz o polimento das superfícies.

O produto sofre desgastes constantes nas costas e nos pés, sendo altamente recomendável massagens diárias nessas áreas. O fabricante não se responsabiliza pela depreciação do produto caso essa recomendação não seja observada à risca.

8. GARANTIA
Observadas rigorosamente todas as indicações desse manual, a garantia é bem dizer eterna, com grandes chances do produto ter uma expectativa de vida maior do que a da própria proprietária. De todo modo, visto que o homem conta com um sistema de reprodução, convém fazer uso dele, gerando filhos que hão de renovar o produto.

OBSERVAÇÃO IMPORTANTE
A Natureza do Brasil, orgulhosa de sempre produzir homens adaptados às suas proprietárias, portanto de caráter singular, adverte contra o risco de inveja e outros sentimentos menos nobres de potenciais clientes que ainda não são proprietárias de seus próprios homens.

*

É, pegar na prateleira é fácil, minha conhecida. Difícil é manter o produto em bom estado.

Comentários

Marisa Nascimento disse…
Ah, Eduardo! Eu estava mesmo precisando deste humor requintado. Mas, cá entre nós, manualzinho exigente esse aí, não? :)
danny disse…
Ri pacas. Adorei o blog, linkei no meu e vou continuar lendo.
Abraço
Inês disse…
Conhecida e beata...

Homens em prateleira de supermercado...

O manual tá completo, tá perfeito. :)
Anônimo disse…
Um produto quase perfeito

Produtos da Natureza do Brasil,
são seguros de si e trazem um manual da proprietária de altíssimo nível.

Sua durabilidade depende única e exclusivamente da proprietária que não pode sequer reclamar das alterações introduzidas no produto depois que o tiver tirado da prateleira.

Deve aceitá-lo sem nenhuma exigência porque nas especificações vêm escrito: "A Natureza do Brasil reserva-se o direito de introduzir quaisquer alterações nos seus produtos e equipamentos, a qualquer tempo, sem incorrer em qualquer obrigação."

O produto é tão especial que suscitará inveja, adverte a Natureza do Brasil.

Bem cuidado, será eterno, sobreviverá à proprietária...


Que as proprietárias que escolherem produtos da Natureza do Brasil, saibam conservá-los em seu melhor estado.

Que os produtos compreendam a natureza de suas proprietárias, não joguem com os seus sentimentos sob pena de perdê-las definitivamente.

Esta canção antiga, compõe bem com o espírito de sua crônica: "Outro dia eu sonhei que estava numa arena gigante
Era eu o mais caro objeto vendido em leilão [...]"

Abraços de uma conhecida,
Tia Monca disse…
Oi Junoca,

Com um Manual desses, o "produto" nem precisa ser produzido pela qualificada Natureza do Brasil. :)

Bjs,
Tia Monca
Carla Dias disse…
Ok... Agora é bom pensar no manual da cliente que é para que o produto esteja ciente de quem o receberá.

Alguma cliente a fim de defender nossa causa?

Adorei... E não achei o manuel difícil de seguir, não...
Anônimo disse…
Oi, Eduardo. Desejo saber quais são as vantagens que esse produto traz para a proprietária/usuária- O que oferece? O que faz? Isso é fundamental para uma avaliação de custo-benefício.

Estou achando que você é muito mimado!
Anônimo disse…
Parece que a consumidora(conhecida)usou a mercadoria e a devolveu por defeito oculto no produto.
Queridos comentadores,

Humor irônico com humor irônico se paga, é? :)

Marisa, coloquei só as recomendações mínimas para não assustar as clientes. :)

Danny, seja bem-vinda ao Crônica do Dia. Nada como uma mulher com bom senso de humor. :)

Inezinha, perfeito é? Tá bom, se é tu que diz... :)

Anônima minha conhecida, o produto não é brinquedo, logo não joga com sentimentos. Fique tranqüila. ;)

Tia, a Natureza Custódio do Brasil é fundamental. :)

Carla, boa idéia a do outro manual. Vamos ver se alguma leitora compra sua idéia. :)

Anônima desconfiada, o produto é velho, uma antigüidade, não apresenta vantagens: só tem interesse para uma louca colecionadora mesmo. E, claro, como toda antigüidade, tem mesmo é que ser mimado pela colecionadora proprietária. :)

Anônima investigativa, esse foi o caso muitas vezes. Mas não desta vez. Por isso também o manual: para diminuir os riscos de devolução. :)

Alguém mais humoradamente irônico?
Anônimo disse…
Uma antiguidade...

Quando penso em um objeto antigo, o que me vem à mente é: Quem terá usado esse objeto? Em que circunstâncias? Que cenas ele terá presenciado? Qual a sua história?

Essa viagem no tempo, eu penso, é o que fascina os apreciadores de antiguidades. Não sei se no caso de um objeto tão específico como o homem ser uma antiguidade é atributo que agrega valor.

Imagine só, depois daquela massagem nas costas, ficar tentando adivinhar quantas mãos realizaram antes o mesmo percurso. E o pior é que o tal do objeto antigo muitas vezes fala (não tem sensibilidade para compreender que as mulheres só perguntam para ouvir: desse jeito, você é a primeira!). Aliás, no quesito sensibilidade, as cômodas e as cristaleiras batem os homens de dez a zero.

E ao tirar os fios de sobrancelhas que insistem em nascer fora de lugar: Quem terá descoberto esse pequeno defeito de fabricação?

Não, não dá.

Melhor seria que o homem oferecesse os benefícios de um carro zero modelo popular: boa potência a baixo custo, não deixa na mão e leva a proprietária para onde ela quiser. Sem contar que, por não ter sido usado antes, você amacia do seu jeito.

Mas, como nem sempre comprar um modelo zero é possível, o que eu espero de um homem é que a quilometragem seja baixa, que não tenha vícios pelo mau uso das donas anteriores, que o motor e o câmbio (pelo menos) estejam em perfeito estado. Os acessórios e opcionais a gente vai mudando com o tempo...
Anônima da antigüidade, você praticamente fez uma nova crônica. :) Bem legal!

Espero que consiga um homem de baixa cronometragem na concessionária mais próxima. :)
Debora Bottcher disse…
Ah, Eduardo... Faz-me rir, sempre...
E sim: vou guardar esse manualzinho que, vc sabe, nunca se sabe do futuro. De repente, preciso sair à cata de um 'produto' novo. :)))
Beijo.
Hebinha disse…
Adorei me divertir com esse manual.
Ainda ri dos comentários e dos comentários aos comentários.
Hoje eu precisava desse riso.
Quanto a tomar alguém por beata, geralmente causa surpresa.
Beijo,
Hebinha

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …