Pular para o conteúdo principal

DIVAGAÇÕES [Debora Bottcher]


Muito tarde e ela não conseguia dormir. Na penumbra do quarto, divisada pela luz distante da rua, ela observava através das sombras uma estranha saudade, sorrateira, caminhando silenciosa sobre o tapete macio... Azul, vermelho, branco, de todas as cores... De uma só cor, porém, o vulto que atravessava seu pensamento, sua alma fria.

Não havia fantasmas ao redor, nenhum som - exceto os reflexos de seus medos nas paredes claras e o barulho inquietante de um coração que desejava parar de bater.

Madrugada... Avançava rumo ao raiar do dia, ignorando seu desespero, a inquietação: amanhecia como ontem e sempre... Passado e futuro um só tempo, o presente estancado na memória.

Quis perguntar muita coisa, mas sua voz emudeceu diante da ausência de sons que gritava por quietude. Calar-se...

Muitas vezes se sentiu só, mas nunca como naquela noite. Pairava no ar uma estranha sombra, um vazio que ela pensava não mais lhe pertencer.

Tentou desesperadamente agarrar-se às lembranças de um tempo não muito distante - talvez há menos de meia hora -, mas lhe escapavam os momentos felizes, o sorriso daquele homem tão amado, sua risada ecoando ao seu lado...

A felicidade que se perdia não queria mais ser resgatada. Em seu interior ardia a sensação incômoda de ter perdido o fio da meada da trilha onde se haviam iniciado os caminhos do fim e de novo ela estava para ser lançada ao seu abismo particular.

De certa forma, descobriu, com algum alívio, que já estava preparada para isso. Era como se no fundo de si uma voz estivesse sempre lhe acalentando, carinhosamente lhe sussurrando que aquele tempo de alegria ia se despedir, lhe abandonar, devolver-lhe para o seu antigo e conhecido lugar...

Percebeu-se sem nenhuma certeza: quem saberia se se afastava de si ou se para si retornava? Desejou adormecer, mas o sono não vinha e ela soube que estava perdida novamente num precipício raso demais até para morrer...

Então sentou-se na varanda, no sereno cálido sob estrelas de uma noite fria, tentando não mais pensar. Recomeçar... Soa muito tarde, mas ainda dá tempo...

Amanhã... Depois... Talvez sempre...

Expressões Letradas

Imagens: Woman with Red Carpet, Freyda Miller; Cheerful Young Couple Lying Down, RF Corbis; Woman with Hair Blowingin Nighttime Breeze, Vicky Emptage

Comentários

Marisa Nascimento disse…
Debora, como você consegur traduzir bem as sensações de perda, solidão e impotência diante das dores humanas.
Bom te ler por dois sábados seguidos! :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …