Pular para o conteúdo principal

IRLANDA >> Leonardo Marona

Permita o céu que o leitor afoito e momentaneamente feroz com isto que está lendo encontre, sem se desorientar, seu caminho abrupto e selvagem, através dos pântanos desolados destas páginas sombrias e cheias de veneno; pois, a não ser que mantenha em sua leitura uma lógica rigorosa e uma tensão de espírito pelo menos igual à sustentada aqui, as emanações mortais deste livro lhe embeberão a alma como a água ao açúcar. (“Os Cantos de Maldoror” - primeiro parágrafo - de Isidore Ducasse, O Conde de Lautréamont).

E ainda assim falaremos. Não resta dúvida. Diremos o que mais já não tivermos. E será o suficiente por enquanto. No mais lavaremos o chão de olhos arregalados. Esperaremos as sirenes distantes, plantaremos expectativas em terrenos assombrados, onde o silêncio é uma estaca. E qualquer um nos perguntará: “Nós quem, cara pálida?”

Nós ausentes de atenção. Nós dentaduras. Nós bigornas penduradas no pescoço. Além do mais, não sabemos afinal o que perguntar. Isso no fundo explicaria muito. Revelar a real ocupação das palavras, essas amantes públicas. Vocês já leram Wittgenstein? As coisas aquelas, das palavras serem importantes? Começo mal aqui. Aliás, existe algo de bom que possa começar bem?

Meu pensamento feito crônica seria algo sobre a genealogia dos começos impactantes. “Hoje, mamãe morreu”. “Sou um homem doente”. “Naquele tempo, com a barriga na miséria, eu vagava pelas ruas de Cristiânia, cidade singular, que deixa marca nas pessoas...”. “Aconteceu naquele louco verão em que Frankie tinha doze anos”. “Fui criado sozinho e, até onde me lembro, vivia angustiado pelas coisas do sexo”. “Logo enfim vou estar bem morto apesar de tudo”. Porque, se não podemos estar certos sobre o fim, é preciso dizer que existem, sim, os bons começos. Russos, franceses, americanos, noruegueses, sem-pátria.

Mas isto é apenas uma crônica, um esperar pelos piscares singelos. E afinal não sou austro-húngaro, mas sinto falta. E afinal nem li tão bem Campos de Carvalho ou Gogol, e não sei de tantas loucuras ou aliterações. Graciliano a mim parece um tipo que te suga no escuro. Caio Fernando, um que te questiona sem te perguntar, com a mão na tua braguilha. Hemingway eu imagino carregado sempre, por assassinos. Henry Charles B. Jr., uma ligação por engano para alguém que se conhece há muito tempo.

E no fundo tudo está em Walter Franco, mas não se pode. As segundas opções reverberam. Os retardatários se aproximam para apunhalar os jurados. E o que temos realmente? Pouco frio ou casa alguma. Onde exatamente se localiza o que chamamos de asma, de Kaspar Hauser, de Ter e Não Ter, de Montanha Mágica, de Subterrâneos, os melhores começos da história fictícia de toda a nossa excêntrica experiência humana?

Por que a morte de Tchekhov por inalação errônea? Querer algo que não seja algo além de tudo que todos os cárceres privados, uma vez antes apaziguados, caucasianos nômades nordestinos, os melhores, os que souberam morrer sem dizer adeus, porque eu não sei...

Além do que deveria ser uma crônica respeitosa, digna de comentário abençoado pela dádiva do Senhor Deus Aracnídeo. E já que não sou Rubem Braga nem me disfarcei com uma guerra, dou de punho a palavra aos meus amigos próprios: “Um bêbado que não vale nada”. Mas quem reconheceria, afinal, mais um sorriso honesto?

Para provar que é apenas uma crônica, e que uma crônica nada mais é que um resumo do tempo desperdiçado, transcrevo aos sobreviventes um papel escondido no bolso de ontem:

onde estará agora, que chove,
essa vontade inapta de morrer,
de trucidar-me vivo ao pálido,
que tanto compele a humanidade,
e ao mesmo tempo esse ímpeto
que devora o dom do perdão?

agora onde estará a insígnia
calcada em cada desatenção
sob a pele da ausência viva,
pura e simples, sem perdão?

Comentários

Marisa Nascimento disse…
Leonardo, você consegue falar de morte, da vida, das angústias e de mestres da Literatura sem perder a essência e a sua qualidade textual.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …