Pular para o conteúdo principal

PENSAMENTOS [Debora Bottcher]


Ele se senta para escrever, esvaziar a alma, soltar as amarras e as amarguras... Pensa em muitas coisas... A Morte... Senhora absoluta que passeia em sua vida, rondando, todo tempo à espreita... A Vida... Estrada muitas vezes sem sentido, caminho sem direção, atalhos que não levam a nenhum lugar...

Acha complicado viver... Sente seu peito carregado de dor, meio que suspenso no passado, envolto em névoas, no submundo do destino...

Pensa num poço... Alguém lhe disse que os poços são encantados e que suas águas, lá no fundo, são azuis - embora pareçam negras... É a magia da luz - explicaram.

Vasculha os jardins... Sempre gostou deles. Houve um tempo em que pensou em ser jardineiro, cultivador da terra. As flores são a expressão mais pura da delicadeza. Lembra de uma rosa cor de pêssego... Ama as matas: verdes, densas, escuras, revelam segredos, guardam a sensualidade, escondem mistérios...

Ele gosta das tempestades - ventos enfurecidos arrastando a calma. Pensa nas despedidas: alguém que ama está prestes a partir e ele ainda não aprendeu a conviver com as perdas. Ela arruma as malas, faz planos, sorri feliz da novidade que a espera... E sua melancolia aumenta... Ele tenta segurar o tempo, parar o ritmo das horas, conter os minutos... Inútil: essa sucessão de momentos não pode, nunca, ser estancada.

Agora pensa em escrever sobre o Amor, mas nada lhe vem à mente, exceto a sensação de que seu amor se perde numa viagem qualquer pelo universo, em busca de horizontes nos quais ele não faz parte do cenário.

Ele é um homem bonito e a alegria já lhe povoou os dias. Mas agora está apaixonado por uma mulher que é metade Bruxa e metade Fada; metade Vida e metade Morte; metade Sedução e metade Pureza; metade Humana metade Anjo. Uma mulher que se divide em muitas e cavalga o mundo sem criar vínculos, sem fixar espaços, nem alimentar esperanças. Avisa logo que chega que está de partida para que não se crie ilusões a respeito dela.

Contudo, o coração é um caçador sem limites e pensa que pode quebrar todas as barreiras quando envolvido por sentimentos nobres. Entende que a grandeza da verdade do amor pode superar a dor e continuar acalentando o sonho, muito embora ele se mostre desprovido de se tornar real. Ele se deixou levar: aquela mulher sem intenção o seduziu, o fez cativo dela, o tomou inteiro para si sem desejar.

Gostou da descoberta e apesar de, agora, sentir-se imerso num buraco de lama - e, em breve, de solidão -, ainda acredita que essa foi a maior descoberta que fez para si mesmo: um diamante raro, polido, feito cristal. Que importava que partisse se ficaria guardada consigo até o fim de seus dias? Porque se preocupava com o fato de que nunca mais lhe visse os olhos se poderia contemplá-los em todos os mares? Que diferença se os ventos levassem para longe seus cabelos dourados se em qualquer plantação de trigo estariam presentes?

Seu desespero começava a amenizar-se: sua voz interior lhe contava que aquela mulher era sua prisioneira sem o saber. Ela podia pensar que partia, mas enganava-se - porque ficava. Estava cravada em sua pele, em suas entranhas e era sua mesmo que se perdesse nas distâncias.

Ele sorriu... E surpreendeu-se ao sentir-se mais leve. Os pensamentos são nuvens mágicas de conclusões dispersas...

Expressões Letradas
Imagens: On the Verge, Ben Roberts; Saudade, Radyr Gonçalves

Comentários

Marisa Nascimento disse…
Ah, Debora!
Como é bom te ler!
O que você escreve dispensa comentários, literalmente. A nós, leitores, fica a vontade de guardar para sempre o que absorvemos, porque você consegue massagear corações e almas, sejam eles alegres ou feridos.
Beijo grande.
Ai, ai, Debora (agora é a minha vez)... posso fazer de conta que essa linda crônica foi escrita pra mim? :)
albir disse…
Ai, ai, ai, Debora...
Suave como o vento e profundo como o poço. Se não se pode mudar os fatos, sempre se poderá mudar a postura diante deles. E, afinal, perde-se aquilo que não se apreende e não aquilo que vai.
Parabéns!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …