Pular para o conteúdo principal

REFLEXÕES >> Carla Dias >>

Ao nascermos, mil e tantas possibilidades se aproximam de nós; cortejam nosso futuro. Para uma e outra oferecemos um sorriso, ainda sendo descoberto sorriso, porque não sabemos o que ele é. Apenas o sentimos benevolente, reconfortante, assim como é dolente a sensação de não conseguirmos verbalizar desconfortos.

Vamos aprendendo brincadeiras, enquanto burilamos descobertas mais profundas. Dói o dente, ele cai. Mãe conta sobre a fada dos dentes. Medo! E se ela se apaixonar pelo Bicho-papão? Pai paquera a bola de futebol, diz que ela será para a infância do filho, mas quê? Ela já é lua nos sonhos dele e se o filho chutá-la, ela irá parar no céu e não mais voltará, porque vai se sentir em casa. O pai vai chorar até!

No meio da jornada, o coração aprende o sentido do som dos tambores antes mesmo de percussionistas terem aulas com os mestres. É um tamborilar natural... A taquicardia da pressa pelos apaixonamentos. Os olhares se abraçam, as mãos se atrapalham, a voz falha e diz tanto ao cometer o silêncio, que embriaga de frescor a alma da gente.

Há, então, a constante desse equilíbrio: esperas. Já mencionei, e mais de uma vez, que as esperas me fascinam. E durante a gestação delas, precedendo as chegadas, há um movimento terno e languido; um preparo para o que ou quem virá. Uma tranqüilidade levada.

Num certo momento, necessitamos com requintes de urgência. E esse tipo de necessidade tem lá suas desavenças com a realidade; leva-nos a confabular, intimamente, com os revezes da ilusão. Então, necessitamos de amparo, de que nos digam que tudo ficará bem; que nos descrevam a rota, apontem no mapa aonde chegaremos se... Essa é a fase da bipolaridade emocional, quando preparamos o terreno da nossa alma para anjos e demônios, camas juntinhas, para que eles tagarelem como fazíamos com nossas irmãs e irmãos, quando pequenos.

Ficamos mais próximos dos precipícios.

Há tempo para compreensões, como a de que amar nem sempre é fácil... Que facilidades são itens de loteria, e que quase sempre não são benéficas. Ainda assim, sentir que vale o risco de cultivar amor, ateando compreensão no que não estimamos em nós mesmos: o corpo, o jeito, a voz. A incapacidade de aceitarmos que o amor é o benquerer que transcende rótulos, ultrapassa obstáculos e sobrevive apenas se alicerçado em compreensões. O amor que constrói enxerga ao avesso... De dentro pra fora.

Durante a vida, aprendemos um tanto e o desaprendemos com freqüência. Nossas intenções são frágeis, submissas, parturientes constantes de piedades. Mas também reverberamos alegrias, nos fartamos de contentamento! E se, às vezes, cambaleamos, chegamos mesmo a tocar o fundo falso desse fim que não é fim, mas sim a necessidade urgente de recomeço, é porque só saboreamos nossa existência ao regalo das experiências.

Quando estáticos somos um nada sem intenção de preenchimento. Somos vazios que só.

Comentários

Carla, você conseguiu fazer a biografia da vida de todo mundo. E com lindos arranjos de palavras. :)
Marisa Nascimento disse…
Carla, que belo texto!
Nossa existência é mesmo uma escola de aprender, desaprender e reaprender a viver e conviver (com o meu perdão pelas rimas pobres).
Carla Dias disse…
Ah, foi bom escrever este texto. Estava num dia daqueles em que precisava (re)colher as origens. E percebi que todas elas eram extremamente belas nas suas intenções... Intensamente importantes frente às minhas decisões.
A vida... Ah... Há.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …