domingo, 20 de abril de 2008

PARA A CIDADE AMADA >> Eduardo Loureiro Jr.


Eu levo Graça e Ceiça,
Lara, Lorenas, Karina.
Levo Iluska, levo Sheila.
Nelas, levo Teresina.

Levo Ivana e Suely.
Francisca, Oziane, Lila.
Glórias, Valéria, Bonfim...
Nelas, levo Teresina.

Levo Marinalva, Hostiza,
Desterro e Teresinha.
Socorro, Marlinda, Ozita.
Nelas, levo Teresina.

Levo Dona Rosa e Lourdes.
Lúcia, Gisele e Zenilda.
Levo Joanas e Bete.
Nelas, levo Teresina.

Levo Teresa, a Ana,
Levo Teresa, a Cristina.
Larissa, Sônia, Renatas.
Nelas, levo Teresina.

Levo Luciana e Mônica,
Aracele e Regina.
Ruth, Patrícias e Hadassa.
Nelas, levo Teresina.

Levo Beatriz, Rebeca,
Fabrícia, Taline e Virgínia.
Elizabeth e Érica.
Nelas, levo Teresina.

Levo Antônia e Andréa.
Neli, Shirlene e Jovina.
Levo Conceição, Albenes.
Nelas, levo Teresina.

Levo Pollyana e Carlas.
Rachel, Onádia e Marisa.
Helena, Lia e Poti.
Nelas, levo Teresina.

Eu levo Vilma e Frayla.
Lucélia, Cleide, Honorina.
Levo Lídia e Roberta.
Nelas, levo Teresina.

Levo Jandira e Marlene.
Levo Rachael e Marina.
Ana Célia e Tatiana.
Nelas, levo Teresina.

Levo Joelcy e Nati.
Levo Alyne e Naíza.
Sara, Kelly e Ana Maria.
Nelas, levo Teresina.

Levo Nazildes e filhas
— uma delas conhecida.
Levo Eduarda, Maria.
Nelas, levo Teresina.

Levo Tess e Tarciana,
Maria Andréia e Dilma.
Levo Mara, levo Nuvens.
Nelas, levo Teresina.

Levo Luciana, a Lua.
Levo chuva e neblina.
Levo enchente, tempestade.
Nelas, levo Teresina.

Levo Maria Isabel,
Amparo e cajuína
Levo manga, flor canela.
Nelas, levo Teresina.

Levo mulheres que passam,
— tornando curva a retina —
e também as que me olham.
Nelas, levo Teresina.

Eu levo as que esqueci
de colocar nestas rimas.
Memória tem seus segredos.
Nela, levo Teresina.

Levo feito Arimatéia.
Feito Lelê e Edilson.
Tércio, Léo e Otacílio.
Motinha, João e Lenilson.

Levo feito Marioni,
Kelson, Pedro e Gilberto.
Feito Pádua, Zé Augusto,
Zé Maria e Valdeck.

Eu levo feito Givaldo,
Luiz, Franciscos e Fábio.
Manoel, Claudio e Douglas.
Assis, Duarte, Tiago.

Levo feito Atualpa.
Washington e Gildásio.
Feito Rogério e Sinésio.
Juracy e Luís Carlos.

Levo feito Alan e Eric.
Davis, Betinho e Lúcio.
Feito Seu Zé e Zé Paulo,
Almeida e seus filhos muitos.

Levo feito Artur e Braitner.
Johnson, Carvilho, Camilo.
Feito Lucas e Jaylson.
Clécio, Zé Nunes, Danilo.

Levo feito Osmar e Thompson.
Gilmar, Antônio e Nonato.
Feito Rafael e Robert.
Roberto, Alonso, Nivaldo.

Levo feito Tchou e Paulo,
Daniel e Flaviano.
Felipes e Irineu.
Me perdoem os que eu não chamo.

Eu levo feito relâmpago,
feito um riu e outro ri,
feito trovão e caju,
Parnaíba e Poti.

Eu levo feito bambu.
Feito o frei Serafim.
Feito Cabeça-de-cuia
Feito Vavá, meus afins...

Levo feito Mestre Antônio
de Pádua, de Teresina,
um jeito de olhar as coisas
feito quem as ilumina.

Levo feito quem eu era,
mas só pra fins de poesia.
Levo mesmo é quem eu sou,
refeito por Teresina.



Partilhar

5 comentários:

Anônimo disse...

Edo,
Feliz por me levar, mas gostaria de lhe trazer...saudades....boa sorte...

Tia Monca disse...

Junoca,
Penso que, refeito por Teresina, você será sempre feliz, em qualquer lugar.
Que Brasilia lhe acolha tão bem quanto sua amada Teresina.
Bj,
Tia Monca

Marisa Nascimento disse...

Eduardo, a gente sempre leva um pouco do muito dos lugares pelos quais passamos e das pessoas que conquistamos. Na verdade, somos um longo texto escrito a várias mãos. E você ainda tem muito parágrafos pela frente...
Toda felicidade do mundo para você!

Carla Dias disse...

Quem leva também traz, Eduardo... Que é levar de atravessado, não?
Será que é isso? A gente vai, leva, mas depois volta para devolver melhorado? Depois de quarado em saudade, ah, melhora o olhar e o regalo, também.

Eduardo Loureiro Jr. disse...

Dil, eu adoro antíteses: levar/trazer. :)

Tia, bem lembrado: o lugar da felicidade é dentro. :)

Marisa, Benditos os escritores que me escrevem: quanto talento para a alegria! :)

É verdade, Carla, foi assim com Fortaleza, trazendo renovações de Teresina.