BLOCO DE NOTAS >> Sandra Modesto

 

Ao acordar, depois da noite vadia que invadiu meu sono, senti um cheiro preso de um passado recente. 
 
Era um perfume agridoce misturado às coisas do meu entrelaçar nesses dezesseis meses na vida nova. Imprevista. 
 
Correndo dores. Choros sem despedidas. Álbum e esconderijo. Tenho lágrimas diárias diante de um país com feminicídios, gente passando fome, mulheres e crianças negras morrendo todos os dias. 
 
É a coisa não tá preta. Porque se a coisa estivesse preta, a coisa estaria boa. 
 
Pego um caderno. Minha memória dá um branco. Momentaneamente. 
 
Nesse espaço entre manhãs e noites, o país pelo avesso. Entendo que, a Arte resiste. E nos Salva. 
 
De maio a julho, na imensidão das leituras: O avesso da pele (Jeferson Tenório). Ao pó (Morgana Kretzmann). Os tais caquinhos (Natércia Pontes). Suíte Tóquio (Giovana Madalosso). Copo vazio (Natalia Timerman). Risque esta palavra (Ana Maria Marques). Um buraco com meu nome (Jarid Arraes). Doramar ou a Odisseia (Itamar Vieira Júnior). Pequena coreografia do adeus (Aline Bei). Água de barrela (Eliane Alves Cruz). Apague a luz se for chorar (Fabiane Guimarães). A palavra que resta (Stenio Gardel). Homens pretos (não) choram (Stefano Volp). 
 
Assisti duas séries que me fizeram refletir: MANHÃS DE SETEMBRO- com a Liniker. COLÔNIA - Baseada no livro de Daniela Arbex: Holocausto brasileiro. 
 
Recolho meus instantes e desligo o celular. Nessa madrugada de quinta-feira meio densa meio aflita.

Comentários

Sem cor! disse…
O racismo está enraizado na cultura brasileira e tudo mais, entretanto as pessoas andam chatas e qualquer termo é levado à ofensa sem a vezes não ser! Quando o racismo é real tem que ser denunciado, mas qualquer besteira fortalece cada vez mais a indiferença. Bela crônica!
Sandra Modesto disse…
Sem cor, obrigada pelo comentário tão importante.
Laércio disse…
Perfeita as colocações na sua cronica. Boas pra para reflexão. Prefiro o esquecimento que o ruim.
Parabéns!
Zoraya Cesar disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Zoraya Cesar disse…
Ao acordar, depois da noite vadia que invadiu meu sono - esse início foi bom demais
E to com Sem cor, total.

Postagens mais visitadas deste blog

APENAS UM RETRATO >> Sergio Geia

OK? >> Sergio Geia

SACERDÓCIO >> whisner fraga