Pular para o conteúdo principal

INQUIETE-SE >> Paulo Meireles Barguil


Aquiete-se foi o instigante convite da Carla Dias na crônica dessa semana.
 
Sim, eu estou, cada vez mais, tentando me acalmar, pois esse é um dos frutos da maturidade, o que não significa que eles sejam saborosos e/ou saudáveis.
 
O meu grande desafio é descobrir o que preciso agitar para que eu possa, enfim, me apaziguar.
 
As poeiras-mágoas continuam me poluindo, a despeito das inúmeras tentativas de limpar minha alma.
 
Sinto-me sobressaltado num mundo repleto de maldade, falsidade e cretinice.
 
Como posso me tranquilizar se quem eu confiava me abandonou?
 
Como posso amainar se quem riu para mim apunhalou as minhas costas quando me virei?
 
Como posso serenar se quem eu acreditava ser meu amigo não me escutou?
 
Retraído e perturbado, indago: "Em quem posso confiar?".
 
Como posso me pacificar se a vida na Terra é, diariamente, esquartejada  por seres sanguinários?
 
Como não me indignar?
  
Sigo, então, inquieto, por vezes sozinho, "sob a batuta do movimento", conforme o sábio conselho da Carla.
 
Apesar de tantas mazelas, uma brisa suave perfuma a caminhada e acalenta meu espírito.
 
 
[Eusébio – Ceará]
 
[Foto de minha autoria. 05 de outubro de 2019]
 

Comentários

branco disse…
que as inquietações sejam motivo de evolução e não apenas de envelhecimento. muito bom, melhor que muito bom.
Carla Dias disse…
Meu convite para se aquietar é, também, um convite para escutar o que importa, e nesse balaio, as inquietações que transformam. Eu prezo pelas inquietações. Aproveite-as, porque encará-las é a melhor forma de compreender como se libertar delas e transformá-las em aprendizado.
Obrigada por me incluir na sua viagem. Gostei muito.