EIS-ME ONDE, TEMPO? >> Paulo Meireles Barguil

Visão que arrebata.

Cheiro que extasia.
 
Voz que (des)congela.

Som que delicia.

Textura que inebria.


[Pedro e João correndo para o túmulo de Cristo - 1898. Eugene Burnand - 1850-1921]

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTRELAS E TROVOADAS NO MONTE - final >> Albir José Inácio da Silva

ESTRELAS E TROVOADAS NO MONTE - 2ª parte >> Albir José Inácio da Silva

CHICO- ARTISTA BRASILEIRO >> Sandra Modesto