Pular para o conteúdo principal

BILHÕES >> Carla Dias >>


É assim o mundo. Bilhões de pessoas. Raramente, a maioria está na mesma página do livro da vida. Assim, nascem guerras e grandes ideias. Despertam os menestréis, os sábios, os artistas, os cientistas, os revolucionários... E os genocidas. Ganha espaço o que há de pior, mas também o que se baseia no amor, mas não naquele amor para emplacar comercial de televisão. Amor.

Aprendemos muito, quando nos dispomos a isso. Nós, parte dos bilhões. Há quem coloque bilhões de dinheiros no bolso por conta de uma grande ideia, ou uma ótima lábia. Ainda assim, e amém a isso, não existe quem coloque os bilhões que somos, de uma só vez, no bolso, e a troco do que seja. Isso não significa que não tentem. Diariamente, encontra-se uma forma – fórmula? – de nos manter em um mesmo plano, como se fôssemos bibelôs de colecionador austero. Somos mantidos o mais silentes e ignorantes possível – não se iluda, que seus gritos não estão sendo ouvidos, e as palavras escritas em CAIXA ALTA espantam leitores. Somos úteis quando servis, dóceis, ainda que – e principalmente por – nossa humanidade seja castrada no processo.

Quando nos rebelamos, somos reduzidos às estatísticas, definidos pelo o que não tivemos oportunidade de conquistar, celebrados como estorvo, reunidos em um barracão de termos técnicos – de acordo com o tema recorrente – para o abate. Então, nomeiam-nos “efeito colateral”, ou em termos ditos – erroneamente – poéticos: sacrífico em nome de um bem maior.

Que bem pode ser maior do que a consciência de que somos bilhões, e de que convivermos no mesmo planeta, apesar das nossas diferenças, é uma das coisas mais difíceis e belas dessa vida?

Nós sabemos disso. Nós vivemos isso, e ainda assim, alguns tentam se tornar o dono do mundo. O dono de nós, os bilhões.  

Porém, é assim o mundo. Somos bilhões. Somos parte dessa roda que gira lá com seus mistérios. Não devemos nos esquecer disso, porque acontece. Às vezes nos fechamos em nossos próprios universos e temos a sensação de que somente essa parte do mundo é ele todo. Melhor manter o diálogo para equilibrar as diferenças de pensamento, mesmo cientes de que nem sempre isso será fácil.

A grande sacada está em aceitar que somos bilhões no planeta. Somos mais de duzentos milhões, somente no nosso país. Não há como ser adepto do absolutismo em um mundo onde somos um em bilhões. Lembre-se disso a cada vez que esbravejar “tenho absoluta certeza de que...” ao precisar defender seu ponto de vista. Fazê-lo é de direito e necessário, mas não daquele jeito que não dá espaço ao outro para dizer “acho que não é bem assim...”, e até mesmo mostrar que muitas certezas são bem maleáveis, e que nem sempre é assim.

Então, olhando para o mundo, pensando nessa condição, eu me sinto extasiada com a diversidade de quem divide espaço com bilhões. Diversidade de ideias, de crenças, de culturas, de percepções. Não importa se estou na sala de casa, sozinha. Jamais deixarei de ser uma entre bilhões. Você será sempre um entre bilhões.

Bilhões.

Lembre-se disso sempre que se sentir compelido a se comportar como dono do mundo. Como senhor absoluto da verdade. É que pessoas gritando suas verdades, construídas para unificar o que nasceu para ser plural, não dizem muito, apenas conseguem que suas palavras ecoem em espaços vazios. Precisamos valorizar o fato de que podemos defender as nossas ideologias, conquistamos esse direito, então, devemos respeitá-lo. Porque há entre nós, bilhões de nós, aqueles que ainda não podem fazê-lo.

Imagem © Jozz. Ilustração para capa do livro Estopim, de Carla Dias.

Comentários

Zoraya disse…
Queria saber como vc consegue escrever esses libelos sem panfletarismos, D. Carla Dias. Poucos de nós, entre esses bilhões, conseguem fazê-lo. Bilhôes de beijos.
Carla Dias disse…
Ah, Zoraya, acredito que seja apenas porque me parece óbvio e benéfico a todos nós. Todos. Espero que possamos exercitar certa tranquilidade no trato a respeito do outro. Nem tudo tem de ser no berro, certo? Beijos!
"Somos parte dessa roda que gira lá com seus mistérios."
Bom rodar nas suas palavras, Carla. :)
Carla Dias disse…
Obrigada, Eduardo! Beijos.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …