Pular para o conteúdo principal

QUEM VIVER, SOFRERÁ >> André Ferrer

Publicidade da Ford (1984)
Outro dia, revelei o desejo de comprar um Escort XR3 conversível. Entre os presentes, que acharam graça naquilo (não, eles riram), estava o meu pai. Seu conselho foi que eu comprasse, também, uma caixa de ferramentas e um bom sortimento de peças (não, ele disse, com todas as letras, que eu ficaria na estrada mais cedo ou mais tarde). Desafiado (sim, eles gargalharam), tomei o exemplo do Fusca e levantei a ideia de que um retorno do XR3 não constituía nenhum disparate. Sim, eu compraria o carro mais cobiçado pelos rapazes da minha geração.

1984 foi o ano das Olimpíadas de Los Angeles e do movimento Diretas Já. Michael Jackson, pela primeira vez, era chamado de Rei do Pop. Airton Senna, garoto propaganda do novo esportivo da Ford (sim, o Escort XR3), estreava nos Grandes Prêmios da Fórmula 1. Em todo o país, as rádios tocavam os enervantes “hits” do grupo Menudo. Eu tinha 11 anos.

Curiosamente, a nostalgia pode ser a grande arma do mercado. Crises econômicas já foram vencidas graças a um tipo de “marketing” preciso e refinado. São estratégias focadas nos indivíduos com maior poder de compra e maior... memória afetiva. Em 2015, por exemplo, nunca se vendeu tantos itens da franquia Star Wars para... cinquentões.

No meu caso, enquanto essa marca não chega, deparo-me cada vez mais com produtos milimetricamente pensados e deliberadamente envoltos naquela aura dos 1980. Referências à época da minha infância pipocam a todo instante. Onipresentes, elas incomodam. Para mim, suas piscadelas têm o mesmo efeito opressivo do “tic-tac” do relógio. Trata-se de um bombardeio e, raramente (como no surto que relatei no primeiro parágrafo), o estímulo é interno e espontâneo. Deste modo, a irritação supera o desejo. Caçoadas ficam minúsculas perto da grande e opressora melancolia.

Fotograma de
Stranger Things (2016)
“Stranger Things”, a famigerada série da Netflix, causou-me isso. Para quem não conhece, trata-se de uma série de terror cheia de referências “oitentistas”. Seus produtores e roteiristas calcularam tais referências de modo a criar um produto atraente para os pais, que viveram os anos de 1980 (e pagam a mensalidade da Netflix), e os filhos, criadores de algo tão geracional quanto o nosso rolê na lanchonete: a maratona de séries.


A nostalgia não é boa coisa para os mais velhos. Pode ser um barato para os mais novos que não viveram e só têm... saudades de coisas lidas e ouvidas. Quanto a nós, o melhor é lembrar com moderação.

Comentários

Zoraya disse…
"Para mim, suas piscadelas têm o mesmo efeito opressivo do “tic-tac” do relógio. " - ótima comparação! a opressão das memórias com o passar do tempo. Que beleza, André! Desenvolve mais uma dessas, vai! Abraços oitentistas
"O melhor é lembrar com moderação."
Boa dica, André. :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …