Pular para o conteúdo principal

VADE RETRO I >> Albir José Inácio da Silva

Era uma reunião comum na sala grande da fazenda, família numerosa, fazendeiro bravo, filhas virgens protegidas por winchesters e um único filho, obviamente destinado a desfrutar das filhas dos vizinhos que desavisadamente diminuíssem a vigilância.

Seu Rufino repetia, no seu jeito calmo, batendo os dedos na mesa pra marcar as pausas:

- Nesta família, o que não for mulher, é macho. Ou então defunto!

Podia ser uma reunião tranqüila, mas o tema desafinava: Genildo, o filho adolescente, sabe-se lá por quê, não vinha cumprindo com o que dele era esperado pelo pai, pela família e até pelas filhas dos desavisados.

O menino cresceu em meio às assombrações e aos sustos que lhe podiam inculcar. Mas no momento certo foi desacreditando de Papai Noel e demais bobagens da infância. Só ficou um: o medo da danação eterna por causa dos pecados da carne. Não conseguia se livrar dos maus pensamentos nem das mãos pecaminosas. Sofria com as admoestações do Padre Antônio e se aferrava ao bom comportamento e às coisas religiosas.

Culpa do padre, pensava o fazendeiro. Sufocou o menino com essa coisa toda de pecado, de não pode isso e não pode aquilo, que ele perdeu as forças diante de tanta proibição. A igreja só sabe amedrontar, mas não tem solução pra essa força irresistível que pode conduzir às profundezas do inferno. Como sempre, a santa madre igreja arrocha o fiel com ameaças de castigo e fogo eterno, mas ele não pode aguentar e segue pecando, e se multiplicando, e se culpando. Mesmo que não vá para o inferno, vive na terra o inferno de carregar culpas e medos de perdição por causa do que não pode evitar. E sempre vai ficar a dúvida: o padre, como é que resiste, se é que resiste, a essa tentação que não vem de fora, está dentro do corpo, como uma bomba pronta para destruir a pobre criatura?

Seu Rufino lidava bem com cavalo xucro, touro assassino, peão abusado e até onça, mas desses assuntos se esquivava, principalmente quando envolvia seu único filho macho. Por isso chamou o padre que, além do dever paroquial, tinha obrigação de ajudar a resolver o problema, já que ajudou a criar. E também porque sabia pedir dinheiro sem a menor cerimônia.

Mas o padre estava de má vontade, não concordava com o rumo que a reunião ia tomando. Pra começar, convocaram um tal de Tio Genésio, com fama de libertino e conhecedor de antros pecaminosos dali até Belo Horizonte, e poderia ajudar a destravar o menino e afastar eventual risco de ele amaricar. E, pra piorar, o reverendo estava sendo responsabilizado pela muita santidade que o menino apresentava.

E Tio Génésio disse logo a que veio:

- Este menino precisa é de rapariga! Fica agarrado em saias de tias e padres, - nada contra o senhor, viu, seu padre! -  enquanto os outros moleques estão lá, no bem-bom, desfrutando a safadagem.

(Continua em 15 dias)

Comentários

Zoraya disse…
só daqui a 15 dias? me dá uma palhinha antes, vai...

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …