Pular para o conteúdo principal

AQUELES CARNAVAIS >> Whisner Fraga

Até os bailes de carnaval eram uma certa novidade para mim, mais afeito às matinês do Ituiutaba Clube. Ou nem isso, já que não me adaptara aos passos complexos do samba. A meu favor, é bom esclarecer que o ritmo me agrada demais e o problema é, como já adiantei, o requebrar, o saltitar e as combinações geralmente intrincadas de passos e saracoteios. De maneira que, de um modo geral, eu ia às noites de folia para observar as moças gingando os corpos num desespero de véspera de fim-de-mundo. Então, eu me encostava no parapeito do mezanino e ficava enraizado por ali a madrugada inteira. Ia embora a pé lá pelas cinco ou seis da manhã, pensando no sem-sentido que fora a noite.

Daí que encontrei um amigo por lá. E ele levava uma garrafa intocada de Ballantine’s 12 anos. Em certo momento, de tanto secar o uísque, ele me oferece um gole. O bálsamo impregnou minhas narinas como nenhum outro cheiro até aquele dia. Eu não sabia que era possível me envolver tão profundamente com um perfume assim imponente. Tive a sorte de debutar no mundo do álcool com uma bebida de qualidade.

Depois, quando tentava alcançar o banheiro, no andar de baixo, podia ver as nuvens de cloreto de etila, os frascos vazios de Rodouro abandonados nos rodapés. Os casais deslumbrados se pegavam até o limite da decência, segundo o conceito das tradicionais famílias mineiras. O suor das meninas casadouras se mesclava ao clorofórmio e ao éter e eu sabia que o ritmo dos sambinhas transformavam qualquer tédio de interior em euforia e beatitude. Ao que tudo indicava, a vida era bela.

E eu entendia sim que a combinação era necessária para uma fuga mais elaborada daquele destino de futilidades. E, eu não sei, mas parece que a alta sociedade tinha seus odores próprios, como se adquirisse à vista a certeza da exclusividade. E era um mundo que eu acompanhava como voyeur, um universo que, mais tarde, se converteria em abadás luxuosos e champanhas a preços reservados. Mas naqueles dias ainda podia testemunhar qualquer coisa de imponente, de graça. E de repente os trenzinhos se formavam e eu queria ter coragem para me misturar aos foliões, mas sentia saudade do Ballantine’s.

Seria possível ganhar uma dose só para mim? Me arrisquei. Assim, o copo de plástico me foi entregue, pela metade. Eu queria agradecer ao amigo, mas não me recordo quem era. Tenho uma breve desconfiança, mas não quero correr o risco de ser leviano. Carnaval sempre foi o aroma do Ballantine’s. 12 anos. E o suor e as camisetas brancas grudadas aos corpos e a serpentina e o confete e o perfume azzaro eu não saberia descrever todas as nuances de tantos cheiros, mas posso atestar que, em geral, era bom. Tudo aquilo me fazia sentir em casa, embora eu não soubesse exatamente o que isso significava.

Comentários

Zoraya disse…
Whisner, eu simplesmente amo suas crônicas de memória. E essa está cheia de construçoes primorosas.
Anônimo disse…
Bela crônica de memória. Simplesmente incrível!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …