Pular para o conteúdo principal

NÃO É SÓ POR VINTE CENTAVOS. NEM PELO QUILO DO FEIJÃO. >> Sílvia Tibo





Saí pra comprar feijão, apaixonada que sou pela especiaria. No sacolão mais próximo, me deparei com o pacotinho de um quilo por nove reais. Olhei feio pra vendedora, franzi a testa, torci o nariz. E saí, de mãos vazias, revoltada e assustada, como alguém que acabara de sofrer tentativa de furto. 

Disse a mim mesma que a culpa era do dono do negócio, que pretendia extorquir os moradores da região, aproveitando-se do fato de seu estabelecimento ser o único do gênero ali nas redondezas. Até então, a culpa era apenas do proprietário do sacolão, que, em poucos instantes, na minha mente, tornou-se um criminoso da pior espécie. 

Fôlego retomado, dirigi alguns metros até o próximo supermercado, um pouco mais longe de casa, certa de que ali os desejados grãozinhos marrons estariam sendo vendidos por um valor mais justo e razoável. Pra minha surpresa e decepção, o preço era exatamente o mesmo. E a vendedora, dessa vez, me desencorajou a andar até o terceiro mercadinho, dizendo que o aumento tinha sido geral. 

Pensei em ir num outro bairro, a fim de me certificar da veracidade daquela informação, mas o que eu gastaria em gasolina tornaria o produto ainda mais oneroso. Sem falar no tempo que seria perdido no percurso, já que o trânsito era infernal naquele horário. 

Voltei, então, pra casa, com o pacotinho de um quilo de feijão preto, um pouco menos caro que os grãozinhos marrons. Decidi que boicotaria o carioquinha e o jalo, meus preferidos, em sinal de protesto, até que os preços voltassem à normalidade. E assim o fiz. 

Em casa, ainda resmungando comigo mesma, liguei a televisão e as notícias eram idênticas às dos últimos dias. Imagens de milhares de pessoas por ruas do Brasil e do mundo, portando cartazes e bandeiras, com reivindicações diversas, dirigidas aos nossos governantes. E os repórteres, ao menos boa parte deles, repetindo a ladainha de que o movimento havia começado em razão do aumento de vinte centavos na passagem de ônibus na região metropolitana de São Paulo, mas que, agora, não tinha mais uma “causa específica”. 

Ora bolas. Que os protestos começaram na capital paulista, em razão do aumento de vinte centavos no transporte público, todo mundo sabe. Inclusive os abestados repórteres da maior emissora de televisão do país. Mas o que o governo finge não enxergar e a imprensa insiste em tentar camuflar é o fato de que os vinte centavos foram só a gota d’água que faltava pra fazer transbordar o balde de indignação e revolta que há tempos andava cheio, abarrotado por episódios de corrupção e mau uso do dinheiro público.    

Naquele final de tarde, o meu balde (assim como o dos moradores da cidade de São Paulo, na semana anterior) transbordou, logo que me deparei com o preço do pacotinho de feijão, que mais parecia "filet mignon".

Definitivamente, não é só por vinte centavos. Nem pelo quilo do feijão. E, ainda que fosse, tal fato não tornaria menos legítimas as manifestações populares que marcaram as últimas semanas no Brasil, a par, obviamente, dos atos de destruição praticados por delinquentes, que em nada se confundem com aqueles que, empunhando bandeiras e cartazes, dignaram-se a exigir o cumprimento de direitos básicos, assegurados constitucionalmente, mas ainda hoje não implementados de forma satisfatória. 

É, o balde precisava mesmo transbordar. O grito precisava ser exalado. O gigante tinha que acordar. Resta torcer para que, com a vitória da seleção brasileira na Copa das Confederações, ele não volte a hibernar, embalado pela falsa sensação de que, agora, depois de alguns gols, tudo vai bem. 

Comentários

Juraci disse…
Assino embaixo!!!
Tomara que os gols do futebol não adormeçam o povo novamente!!!
Bjin
silvia tibo disse…
Assim seja!!!!
;)
Zoraya disse…
Saudades Silvia! Beijos enormes e satisfeitos em voltar a te ler!Já devia ter deixado recado, me desculpe.
Anônimo disse…
Mt boa
silvia tibo disse…
Ei Zô!
Obrigada, querida...
Muito bom estar de volta e me deliciar com seus textos também...
:D

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …