Pular para o conteúdo principal

DE VOLTA! >> Sílvia Tibo


Engraçado como certos acontecimentos tem o poder de nos afastar da realidade por algum tempo. E interessantes também são os efeitos que essas escapulidas do mundo real são capazes de provocar em nós. 

É como se, por alguns instantes (que podem até durar dias, meses ou anos), nossos espíritos se desligassem dos corpinhos que os tornam visíveis e palpáveis. E assim, livres, leves e soltos, transitassem por um universo íntimo, perfeito e particular, criado por eles próprios, na tentativa de fugir da realidade que os machuca ou, simplesmente, no desejo de experimentar momentos de felicidade pura e plena. 

Quando minha mãe partiu, há alguns poucos anos, essas sensações me acompanharam por um bom tempo. Nas semanas seguintes à partida dela, lembro-me de ter ouvido alguns amigos e parentes dizerem-se impressionados com a suposta força com que eu vinha enfrentando aquela perda tão grande e recente. 

Depois de ouvi-los, eu lhes dirigia sempre um sorriso, ganhava deles um abraço... E me despedia repetindo (na tentativa de confortá-los, mas também a mim mesma) aquela história de que a cruz que nos é dada nunca é maior ou mais pesada do que aquela que podemos suportar. 

E na verdade, a par do vazio que então se abriu à minha frente, como uma espécie de buraco gigantesco e sombrio, que eu necessariamente teria que aprender a desbravar desde então, sem manual de instruções, audio guide ou coisa do tipo, o fato é que, dentro do possível e do razoável, os sentimentos que me acompanharam durante aqueles dias foram realmente de força, de esperança, de superação. De vontade de seguir em frente, apesar de tudo. Lá no fundo, era como se algo me dissesse que o buraco seria momentâneo, passageiro. Como se, dali a pouco, eu viesse a descobrir que tudo não havia passado de um grande pesadelo. 

É claro que, com o passar dos meses, as famigeradas fichinhas caíram. Aliás, despencaram. Assim, todas juntas, de uma só vez. E despencaram aqui, no meu colo, na minha cabeça, no meu coração. Era o fim das “férias da alma”. 

Desde então, não houve um só dia em que eu não tenha desejado novos instantes de “folga espiritual”. Folga da saudade. Folga do vazio. Folga da tristeza que vem da constatação de que o reencontro não está assim tão próximo como se imaginava. Folga da dor que necessariamente acompanha a partida de quem se ama. Retorno àquele universo encantado. Àquele mundinho onde os problemas se dissipam, as dores se escondem, a saudade se esvai. Porque lá, os buracos se preenchem facilmente. Com sorrisos, com presença, com reencontros, o que quase nunca acontece no mundo real.


De tanto desejar, não é que cheguei lá? De novo, me vi naquele universo encantado. Dessa vez, um mundo de flores, de linhas, de mimos, de cores. De corações de papel, de balões soltos no ar. Um mundo de amigos, de família, de gente querida. E de risadas gostosas, de abraços apertados, de beijos inesperados. E de música. E de dança. E de demonstrações de afeto, de palavras de amor, de gestos de carinho explícito e gratuito. 


É. O casamento me levou, sim, a momentos de alegria desmedida, de satisfação plena, de felicidade no sentido mais puro e desejado da palavra. A sensação foi de ter trilhado, de novo, por algumas horas, os belos caminhos percorridos noutros tempos. Aqueles em que a saudade, tímida, pouco ou quase nunca se mostrava, porque sequer havia espaço pra ela. Afinal, eram percursos realizados num mundo de presença, de amor, de contato. Um mundo sem buracos, sem vírgulas, sem espaços em branco. 

De volta à vida real, agradeço a todos os que, com suas boas energias, sua generosidade e seu envolvimento, tornaram possível a reconstrução desse mundinho de sorrisos, de flores, de sons e de cores, que andava distante, por vezes esquecido, mas que ressurgiu com a beleza de outros tempos. E que, a partir de agora, pretendo visitar com frequência. Através dos vídeos, das fotografias, dos detalhes contados pelos que estiveram ali presentes, em sintonia. E das muitas e doces lembranças que a mente e o coração, felizmente, foram capazes de registrar.

Comentários

odette castro disse…
Silvia, li e reli seu texto. Um nó na garganta, um arrepio e ao mesmo tempo uma alegria imensa. Por , de uma forma mínima, trazer de volta este aconchego em seu coração.
Seja muito feliz, menina. Você é linda. Totalmente linda. Bj . Odette
silvia tibo disse…
Querida Odette,

Li, reli e me emocionei com seu lindo comentário...

Obrigada por tornar possível essa minha "viagem", com toda a sua delicadeza e sensibilidade...

Grande beijo!
Leonardo disse…
Parabéns, pequenina!
Estava com saudades das suas linhas!
Seja muito feliz e conte tudo pra gente!kk
Nossas felicidades formam círculos secantes.
Beijos,

Léo
O texto é lindo. Recordei no ato de um raciocínio budista. Ele fala da transitoriedade das coisas boas e das coisas ruins na nossa existência. Concentrar-se no caráter transitório do sofrimento nos torna mais resistentes nos momentos ruins e mais responsáveis e atenciosos nos momentos bons. Pense nisto Silvia. Meus parabéns pelo texto!
Fernanda Pinho disse…
Sílvia, que coisa mais linda. Parabéns pelo casamento e pela lucidez com a qual você consegue enxergar os momentos de dificuldade e os de alegria.
Beijos!
silvia tibo disse…
Irmão...
Sem dúvida. Sua felicidade é a minha. E sei que a recíproca é verdadeira...
Obrigada por você existir!
:)
silvia tibo disse…
André,
Concordo plenamente...
Nem sempre é fácil colocar em prática esse raciocínio, mas seguimos tentando, não é?
An.
Abraço!
silvia tibo disse…
Fê,
Obrigada por suas sempre belas palavras...
Beijinhos.
Analu Menezes disse…
ah Silvia me identifiquei com você. Tem um ano que minha mãe partiu e sei o que é tudo isso. As pessoas sempre dizem como fui forte, mas é como você descreveu, elas não sabem o que a gente sente. Me solidarizo com você. Belo texto, parabéns! E que o casamento sendo o início de dias cada vez mais felizes.
Karoline Cruz disse…
Querida Sil,
que bom ver o quando está feliz e saiba que torço para que tantas alegrias trazidas nesta data especial só se somem, se multipliquem, pois você merece lindinha!!!

Beijos!
Ana González disse…
Amei ler seu texto, Sílvia! Sim, os momentos de saudade e tristeza, passam. Bjss
Juraci disse…
Filhinha,
que lindo e sublime sua crônica! Fiquei leve e emocionado. Conte sempre comigo, em todos os momentos, sejam aqueles de felicidade, sejam aqueles mais difíceis. Todos eles compõem a nossa jornada. Bjin
Pai

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …