quarta-feira, 5 de junho de 2013

ATENCIOSAMENTE, >> Carla Dias >>


Na correria do diariamente, do esquecimento como objeto abstrato deflagrador de desopilação, da alquimia das músicas diversas sendo tocadas em inúmeros iPods, da facilidade de passar por, sem despreguiçar a atenção a fim de contemplar diferença. E das tantas palavras engolidas em nome do silêncio, esse herói mal compreendido, que nasceu para pausas, para assanhar nuances, não para calar a coragem de se conjugar verbos com o som que sai de nós, nem sempre educado, nem sempre correto.

Em meio a essa selva dos sentidos, é possível se compreender que olhares são bichos que correm em liberdade, ainda que eles se façam de polidos. Nem sempre contam a melhor versão da imagem que alcançam, quase nunca são justos. Às vezes, precisam de tempo para alcançar a essência do que não sabe ser sem a necessidade de se cavar fundo para compreender. Só que também marejam fácil, de facilidade poética e entremeada em importâncias.

O que mais confunde a humanidade do ser humano, que veste a desumanização porque sim, é ele acreditar que tudo se resume ao se desligar do que não lhe cabe. Só que emoções não são desligadas aos passos dos interruptores, respeito não é roupa de festa, vida não caminha contando quilometragem. Sendo assim, bom dia, boa tarde, boa noite, obrigado e com licença, ao contrário do que muitos pensam, ainda são válidos e operam milagres. Gentilezas podem mudar a maré da existência de muitos, e para melhor. Conectar-se ainda é a melhor forma de se compreender a importância de ser indivíduo.

E chá quente em noite de frio e insônia equivale a um abraço.

Atenciosamente é mais que palavra para se despedir em tom amigável, em cartas comerciais. Pode nos levar a concluir contemplação, porque somente assim, com a atenção em flor, podemos reconhecer fascínios. 

Sem mais, atenciosamente embarco no universo das amabilidades.

Amém ou até mais.

Imagem: sxc.hu

carladias.com

Partilhar

3 comentários:

Zoraya disse...

Carla, você tem a obrigação poética de juntar todas as suas crônicas gentis num único livro, encapado de tecido e flor.

Rejane Savegnago disse...

Concordo em gênero, número e grau! Tenho acompanhado tuas crônicas e são deliciosamente encantadoras, inteligentes e afetivas. Gosto muito do teu trabalho. Parabéns!

Carla Dias disse...

Zoraia... Fiquei pensando nesse livro encapado de tecido e flor. A imagem me agradou, obrigada por ela. Beijos!

Rejane... Muito obrigada por ler meus textos, porque sei que se trata de gentileza misturada com doação de tempo para leitura das minhas viagens literárias. Um beijo!