Pular para o conteúdo principal

SOBRE FAZER PARTE DE UMA NAÇÃO >> Mariana Scherma

Cada vez mais eu acho que as pessoas (sem generalizar, hein!) têm uma preguiça danada de pensar. Como se parar um pouco pra olhar pra dentro de si mesmas e do mundo fosse roubar tempo de... sei lá o quê.  Olhar ao redor e se sentir parte de uma nação não é das coisas mais simples, é sempre mais fácil esquecer em quem votou e pôr a culpa na corja de políticos. Mas aí vieram as manifestações e eu fiquei ainda mais na dúvida sobre esse questionamento em relação ao nosso mundo – ou só ao nosso Brasil mesmo.

Antes de mais nada: não, eu não sou contra a manifestação que encheu as ruas e deu fôlego a nossa democracia bebê, também não vou falar da falta de foco, afinal, não falta foco, o que sobra, na verdade, é problema. Educação precária, excesso de tarifa (cujo dinheiro vai pra onde mesmo?), saúde em colapso, transporte terrível (mas caro) e, na minha opinião, o principal: políticos que se esqueceram de que são representantes do povo e que só estão no Congresso pra resolver problemas próprios, pra ficarem ainda mais ricos – e isso desde que o Brasil é Brasil.

Aí parte dos manifestantes joga a culpa do colapso do nosso tempo na conta do PT e pede impeachment da Dilma. Oi? O que o impeachment resolve, minha gente? Nossos direitos de cidadãos têm sido precários há muito tempo, sem contar que as pessoas deveriam saber que a presidenta não tem todo esse poder onipresente, não. Boa parte dos manifestantes preguiçosos mostra suas placas de “fora, Dilma”, se orgulha de se dizer sem partido, fala muito, mas sem conteúdo coerente. Eu fico um pouco chateada com esse olhar superficial sobre a nossa política (mais uma vez, eu sei que não é a maioria), dando um jeito de parecer que é a Dilma o começo e o fim de todas as nossas mazelas. Essa preguiça de entender tudo o que acontece me deixa com vergonha alheia e não me representa em nenhum momento.

Nossos problemas começam na educação. Uma educação que não ensina ciência política, que não ensina você a enxergar mais fundo, que mal ensina você a interpretar um texto e, mesmo assim, o passa de ano. Talvez venha daí o sucesso das frases de efeito que pipocam no Facebook. Pra que ler um livro página por página se você pode abrir aspas e colocar meia dúzia de palavras da Clarice Lispector pra serem curtidas? E cá entre nós, a nossa educação anda deficitária faz tempo, não foi culpa do governo atual... Nossos problemas não começaram com a construção dos estádios da Copa de 2014. Nossa inimiga, a meu ver, não é a Copa. O Brasil poderia melhorar com a Copa, como aconteceu em países que receberam eventos desse porte. Poderia. Mas aí vem a corrupção, vêm os políticos preocupados em superfaturar e tudo se perde.

Não sei o rumo que todo esse movimento vai tomar, o que vai mudar... Só o tempo dirá quais os resultados que virão dele (a PEC 37 já foi pelo ralo, pelo menos). De um jeito ou de outro, todo mundo acordou mesmo e está se dando conta de que poderia viver num Brasil melhor, ninguém pode mais dizer que futebol é o circo do nosso pão e circo. Agora, falta questionar a culpa do governo atual, aprender como funciona o Congresso, pensar muito sobre as eleições do ano que vem, não endeusar nenhum político (e checar quem ele já apoiou e se já apoiou alguém do nível do Feliciano). Olhar para o nosso passado político é uma forma de evitar erros futuros. O problema é que nem todo mundo quer fazer isso, mais fácil achar um culpado só, pensar numa frase de efeito pra um cartaz e boa. Não é por esse caminho que vamos mudar o país. Afinal, política é das ciências mais complexas, não é simples de entender e deveria muito ser incluída nos currículos escolares. Se isso acontecesse, evitaria esse meu desabafo aqui.

Comentários

Debora Bottcher disse…
Muito claro seu texto, Mariana. Eu sou contra as atuais manifestações - que acho nem podem mais serem chamadas assim. Virou uma confusão generalizada, ninguém nem sabe pelo que está nas ruas. E sou a favor do exército sim, pra conter essa multidão que me parece mais de desocupados e baderneiros do que gente séria. Fico chocada de ver gente que julgo inteligente postando coisas como impeachment, achando lindo a tomada do Congresso, o povo nas ruas e tudo mais. Lindo sim pra quem olha de cima, de longe, do alto. Vá lá precisar passar na Paulista com alguém tendo um enfarto no seu banco de passageiro. Vá lá tentar entrar dentro do metrô às seis da tarde, depois de um dia em que vc esteve trancada num escritório pra levar o leite, o arroz e feijão pra sua casa. Vá lá tentar chegar na escola do seu filho passando pela multidão - antes que a criança pense que vc a esqueceu. Sim, as fotos são bonitas e emblemáticas - mas cada um faz sua leitura. Eu, pessoalmente, estou horrorizada - com o que vejo nas ruas e com o que vejo rodando no meu feed. Será que viramos crianças achando que fazendo "a birra da passeata" vamos conseguir tudo que queremos? Essa preguiça de entender o que efetivamente está acontecendo além da beleza (questionável) das fotos - ou esse entendimento às avessas - também não me representa. Beijo pra vc.
Anônimo disse…
Falou tudo, mt boa

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …