Pular para o conteúdo principal

SENDO CLICHÊ >> Clara Braga

Hoje eu vou ser clichê! Achei melhor avisar, já que não é todo mundo que gosta de ler textos que não necessariamente contam algo novo, mas diante de tantos manifestos, eu não queria ficar de fora do grande grupo de pessoas que tem algo a dizer sobre o assunto.

Percebi que algumas pessoas já estão irritadas com a quantidade de comentários, agora só se fala disso, parece que ninguém tem outro assunto. Mas convenhamos, não é uma delícia abrir o facebook e, ao invés de se deparar com uma enorme quantidade de comentários reclamando da segunda feira, ver uma enorme quantidade de comentários de pessoas que estão ansiosas por lutar por um Brasil melhor? Claro, existem aqueles que vão pela baderna, aqueles que vão sem saber direito porque estão indo, mas independente do motivo, há quanto tempo não se via tanta gente assim nas ruas reivindicando algo?

Outro dia fui almoçar no restaurante do meu trabalho e reparei que todas as pessoas das mesas ao redor discutiam sobre as manifestações e as medidas que a Dilma vem propondo. Tenho certeza que muitos jantares de família também têm sido acompanhados desse tópico. Não é surpreendente? Em época de copa das confederações e com uma novela das 20h bombando, o assunto principal entre todos é: política! Eu acho o máximo, e aproveitei até para aprimorar meus conhecimentos sobre o assunto, já que, como já afirmei várias vezes por aqui, sou uma negação quando o assunto é política!

Vem pra rua!! Esse é o lema, e como eu sou muito obediente, lá fui eu pras ruas de Brasília! Chegando próximo ao congresso, fiz o famoso sinal de vida para atravessar na faixa de pedestres, faixa essa que deixou Brasília famosa por ser um dos lugares onde de fato os carros costumam parar para você atravessar. Os carros de uma faixa pararam e, quando eu comecei a atravessar, lá vinha um carro em alta velocidade do outro lado e passou reto, como se ninguém estivesse atravessando. Dentro do carro havia alguns jovens, todos de branco, prontos para manifestarem e expressando na vestimenta que estavam ali pacificamente, contra violência. Mas parar na faixa ninguém quer né?

Já na manifestação, vi que alguns manifestantes jogavam bombinhas de São João não só na polícia como em outros manifestantes também, mas estavam prontos para xingar a polícia de covardes quando eles retrucavam com bombas de efeito moral, que convenhamos, de moral não tem nada, cada vez que jogavam uma deixavam as pessoas mais irritadas e prontas para um possível confronto.

Vi pessoas apoiando os manifestos, mas quando precisavam pegar seus carros para irem para casa e ficavam presas no trânsito, reclamavam e chamavam os manifestantes de vagabundos, baderneiros, ou até de povo desocupado, que não tinha nada mais importante para fazer da vida. Também detesto trânsito, mas quando é por uma boa causa a gente tem que entender.

Bom, enfim, atos como esses com certeza aconteceram aos montes, não vale a pena ficar citando atos ruins diante de vários importantes, mas o que eu queria mesmo com tudo isso era lembrar daquele trecho fantástico da música do Gabriel o Pensador: muda, que quando a gente muda o mundo muda com a gente, a gente muda o mundo na mudança da mente, e quando a mente muda a gente anda pra frente. Sei que é clichê, bem como eu avisei lá no início, mas verdade seja dita, não adianta querer mudar o Brasil sem mudar a si mesmo. Quer um Brasil com mais educação? Seja mais educado em seus pequenos atos, quer um Brasil com segurança? Cuide das pessoas ao seu redor, quer um Brasil que pense em um melhor futuro para sua população, que seja gentil e que dê oportunidades? Ajude as pessoas que estão próximas de você, dê a elas oportunidade de aprender com você, de errar com você e de crescer com você. E claro, vem pra rua! Ou até fique em casa, mas se informe e se mova!

Comentários

Ranyele Oliveira disse…
Gostei muito de ler esta crônica. Alguns sentimentos comuns...
Bom, fico feliz que apesar do fato em questão, Brasília ainda é exemplo nas faixas de pedestres.

Quando cheguei na Bahia fiquei assustadíssima por ninguém parar na faixa...o trânsito aqui é uma desordem praticamente "nas Índias...

Abraço.
Conceicao Belo disse…
Parabéns Clarinha, mais uma vez expressando muito o sentimento de muitos de nós.
Gostei bastante do "puxão de orelha" último parágrafo.
Beijo
Ceiça
Conceicao Belo disse…
Digo:...expressando muito bem o sentimento...
Ceiça

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …