Pular para o conteúdo principal

TODO FILME É BOM NO TRAILER
>> Fernanda Pinho




Acabei de chegar do cinema. Foi mais um caso daqueles de trailer engraçado, dinâmico, emocionante e filme monótono, sem graça, fraco, que parecia não ter fim.  Todo filme é bom no trailer. Claro.  O trailer é exatamente um compacto das melhores partes que têm o objetivo de vender o produto. No caso, convencer as pessoas a assistirem aos filmes. 

E, olha, nem temos o direito de acusar os produtores de cinema de propaganda enganosa. O tempo todo forjamos trailers de nós mesmos. Num primeiro encontro, nenhuma mulher é ciumenta, insegura, chorona e doida pra casar. Nenhum cara é pão duro, tem pânico de relacionamento sério ou está obcecado por uma mulher que seja perfeitamente igual à sua mãe.  Numa entrevista de emprego, ninguém assume ser do time “chega logo, sexta-feira” ou que detesta realizar tarefas em equipe  ou que se aproveita das reuniões intermináveis para desligar a mente e pensar em tudo, menos no que está sendo dito no recinto.  Aquele que está tentando se enturmar num potencial grupo de amigos não vai pedir dinheiro emprestado no primeiro programa juntos ou fazer piada com o tamanho do nariz de um dos colegas ou ficar reclamando de tudo o tempo inteiro. A pessoa que vai jantar pela primeira vez na casa dos sogros, não avisa logo de cara que não suporta intromissões na sua vida e que nunca vai abrir mão de passar o Natal com os pais.

O que todos nós temos – não por mal, mas por sobrevivência – é uma série de trailers que revelam o que temos de melhor, para exibirmos quando for oportuno. Superficialmente, somos todos seguros, bem-resolvidos,  desprendidos, proativos, conectados, adequados, flexíveis, compreensivos, engraçados, inteligentes e dotados do bom e velho desconfiomêtro.  Se colar, colou. Alguém vai ser convidado a assistir o filme inteiro.

O negócio é que a vida de ninguém está sendo dirigida pelo Almodóvar, pelo Scorsese, pelo Spielberg ou pelo Tarantino. Somos nós mesmos, atores e diretores, sem roteiro, experiência ou ensaio. Encarregados de conduzir uma história interessante, não por uma hora e meia, mas por uma vida inteira. E numa vida inteira,  tem certas coisas que são inevitáveis.

A convivência é um filme repleto de momentos de tédio, lentidão, rotina e uma série de outras falhas de roteiro não previstas no trailer. Ficando insuportável, existe a opção de mudar de filme, por que não? Mas não mude de filme esperando que todos os seus problemas sejam resolvidos. O cinema pode até ter produzido filmes perfeitos. Mas vidas perfeitas é um produto que ainda não foi inventado.

Se bater uma vontade de trocar de canal, pense bem nas paixões que te impulsionaram a ver aquele filme. Cogite a possibilidade de mudar, não o filme, mas a forma como ele está sendo dirigido. Lembre-se das suas motivações, investigue as coisas boas. Elas ainda estão lá. Porque o cinema pode até ter produzido filmes medíocres do início ao fim. Mas vidas inteiramente medíocres também é um produto que ainda não foi inventado.

Imagem: sxc.hu

Comentários

Por isso gosto de crônicas, Fernanda, porque elas estão a meio caminho entre o trailer e o filme. E essa sua crônica é mais uma das PERFEITAS. :)
Debora Bottcher disse…
Muito bom. Mas fiquei curiosa: qual filme deu origem a esse texto? Beijo
Zoraya disse…
Fernanda, sacada legal demais essa sua! Juntar cinema e vida numa crônica curta e objetiva foi coisa de profissional. Fiquei também curiosa, qual foi o filme?
albir disse…
Me lembrou Drummond: "E eu não sabia que a minha história era mais bonita que a de Robinson Crusoé".
Fernanda Pinho disse…
Magic Mike...hahahahaha...também, né, o que esperar desse filme :P
Carla Dias disse…
Fernanda, fiquei curiosa sobre o filme do cinema, só que mais curiosa ainda para saber de onde veio essa reflexão cinematográfica. Foi somente esse filme mesmo que a inspirou? É que a achei impecável :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …