Pular para o conteúdo principal

MUITO ALÉM DA SIMPLES TAPIOCA
[Ana González]

A primeira vez que eu comi tapioca foi em Recife, na frigideira com recheio. Depois, conheci a baiana, doce no café da manhã com leite de coco. Fiquei com as duas na memória, pois era uma delícia que não era comum em São Paulo naquela época.

Até que um dia, numa esquina do meu bairro, fazendo a feira semanal, vi uma mulher jovem, moça do povo, séria, contida em seus movimentos à frente de um fogareiro de uma boca em uma mesa improvisada. Saia colorida, cabelos longos presos na nuca em um rabo de cavalo.

Ela estava fazendo tapioca, sim, aquela que eu desejara por muito tempo. Seria nordestina? Experimentei e virei freguesa dessa cozinheira de esquina inventando moda na grande capital.

Daí em diante observei seu negócio crescer. Ela incrementou seus recursos, pouco a pouco. Melhorou o fogão e a panela em que fazia a roda de farinha, que é a base da guloseima. Foi mudando detalhes importantes, mas a farinha branca — alvíssima — e os recheios continuavam os mesmos.

Até que um dia vi um homem por lá, a seu lado, com cara de português, um galego alto, de pele clara e olhos castanhos apertadinhos, cabelos curtos. Seria um namorado? A presença contínua me mostrou que era também um parceiro do negócio. A família e os negócios iam bem, obrigada. A barraca na feira se expandiu e o comércio incluía, então, também mandioca descascada e acondicionada em pacotes com água. Apareceram também os pacotes de farinha e o bolo de tapioca, vendido em pedaços quadrados, generosos. Depois vieram os limões e as mangas.


Os anos continuaram a passar até que um dia vi uma garota ajudando na banca. Filha? Bem clara, cabelos também castanhos claros. Perguntei e soube que ela tinha quinze anos — e era filha. Carregava os traços do pai.

Até que no outro dia, na conversinha que se estabelece às vezes na hora da compra, o marido e sócio me confessou que tinha nascido um neto. Era como se ele precisasse me contar. A família crescia. Não, não era o primeiro, havia outros netos maiores. Aí aconteceu a maravilha. Além de eu ter recebido a notícia de presente, ele fez questão de me mostrar fotos em seu celular. Um bebê de bochechas cheias. Olhei para o avô. Babão, havia refletido em seu sorriso, o orgulho do mundo. Fiquei tão feliz que parecia serem da minha família: avô e neto.

E, eram de certa forma. Ou passaram a ser, de certa forma, naquele momento. Sem querer, me liguei a eles, desde que uma pessoa me ofereceu o prazer de comer tapioca numa esquina do meu bairro. Àquela senhora, que continua exatamente a mesma, talvez um pouco mais suave, o que não é o mais normal acontecer — em geral, o sofrimento da vida não dá folga e as pessoas endurecem. E agora, seu companheiro me ganhou com a espontaneidade de um gesto de avô. A foto no celular tão inesperadamente colorindo o meu dia com risos de bebê, de comemoração em família e esperança. Quiçá esperança para o mundo.

No espaço urbano em que sermos invisíveis é o natural, ainda podemos encontrar momentos de calor e de alegria. Ganhamos presença uns para os outros. Ganhamos até imagens de fotos. Sem nada de original ou transcendente, uma feira semanal pode ser transformada em um recanto especial, com tapioca, pedaços de bolo, amor que se faz família, surpresa, inclusão e contentamento.

www.agonzalez.com.br

Comentários

Zoraya disse…
Ana, como sempre, você nos presenteando com suas doçuras. E que foto linda, hein? Obrigada pelo presente, beijos.
albir disse…
Momentos de calor e alegria, Ana, que ganhamos nós, leitores, também, com a sua história.
Ana González disse…
Zoraya e Albir, colegas de textos e trocas de experiências, obrigada pela presença. Grande estímulo para observar essas histórias que nos caem no colo todos os dias. Bjss (Zoraya, uma delas - a da flor - a mais bonita, foi escolhida pela Débora, responsável pelo site da Artemis.Colaboradora e amiga de sempre.)
Na frigideira da vida, momentos como esse são deliciosas tapiocas, Ana. Grato por compartilhar.
Analu Menezes disse…
Grande Anagon, sempre uma delícia te ler! bjão de fã!
Analu
Carla Dias disse…
Ana, esse tipo de prazer, gastronômico e humano, é só para quem quer recebê-lo, como você. Tapioca é uma delícia. Ver fotos de bebês fofos de avôs babões, idem. Beijo!
Ana González disse…
Eduardo, Analu e Carla, obrigada!!!
Tapioca e gastronomia em geral são só prazer...rs...e ainda mais quando se tem este espaço. Bjsss

(Descobri outro lugar de tapioca bem pertinho de mim, assim disponível todos os dias. viche!)
Anônimo disse…
Esse é o verdadeiro sentimento de pertencimento...pertencer ao meu bairro, minha ciade, meu país, meu mundo...simples e poético!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …