Pular para o conteúdo principal

NOTAS DE QUEM SABIA >> Carla Dias >>




No fundo, sempre soube, assim, desse jeito de criança que observa o futuro, feito criatura que se mistura às idades que ainda não completou. Como quando se sentava em frente de casa, roçando o pé na grama, observando o sereno chegar e com ele o silêncio que só cabe nas tardes serenadas. De enquanto era pessoa que não sabia que pessoa se tornaria dali duas, três décadas. Aliás, pensar em décadas era muito complicado, dava em dor de cabeça quase como aquela que chegava depois de observar o céu por horas, tentando entender onde terminava o universo. Porque flertar com o infinito lhe parecia perigoso. Por isso imaginava futuro com auxílio da tabuada: daqui 2 x 3 anos, 4 x 2, 3 x 3.

Sempre soube, feito a menina desamparada de presença, que nem se importava em passar quase todo o tempo na própria companhia a dobrar roupas, varrer o chão, cuidar do jantar. Tampouco temia o silêncio que antecipava as tempestades. E calçava os chinelos por conta dos relâmpagos, porque temia que eles lhe entrassem no corpo rastejando pelo chão e alcançando seus pés. Que cobria os espelhos por conta dos relâmpagos, porque acreditava que, se estivesse observando seu reflexo, um relâmpago poderia roubá-lo, e ela nunca mais se reconheceria. Que trancava as portas por conta dos relâmpagos, porque nunca quis que eles entrassem em sua casa, sentassem em seu sofá e discutissem a vida com ela. Não apreciava a filosofia dos relâmpagos que teimam em mudar o curso da vida das pessoas. Ainda assim, confessa a si, em um arrastar as palavras, que adora observá-los de longe.

Soube muito antes de os desejos borbulharem no seu dentro, alguns confusos e outros tão certos de seu alvo, o que não lhe impediu de aceitar que se tornaria uma pessoa capaz de mudar a cada vez que a vida pedisse sentido, quando lhe faltasse amparo, prumo. E apesar dos planos, e das falseadas certezas que consumiu enquanto tentava evitar o sopro das mudanças.

Como sempre soube, ainda que evitasse a consciência de que sabia, comportava-se como quem jamais a alcançaria. E assim viveu muito bem, obrigada, por tanto tempo, tantas tabuadas. E aquela fisgada, a sensação recorrente do que fazia falta, mas não se sabia do quê, a acompanhou e a ensinou a ser muitas: a que batalhava pelo direito de comer, beber e vestir, a que se arriscava em projetos fadados ao fracasso, mas que, às vezes, davam certo. Aquela que aprendeu, de maneira nada fácil, que benevolência quase sempre é via de mão única, e que certamente a receberemos não daqueles a quem a oferecemos, mas de outros, dos transeuntes, dos seres humanos que mais parecem personagem em passagem breve pelas nossas vidas. E que se pode ter o amor de uma vida a cada vida que se vive.

Mudou-se, então, para dentro de si e para a rua arborizada de um bairro diferente. Mudou-se para as sombras dessa rua, para as peculiaridades do bairro, para a experiência de caminhar pelo futuro que nunca imaginou. E também para a correria das crianças, as calçadas como testemunhas de suas brincadeiras. E para os céus do verão desnorteado, que oferecia, em um mesmo dia, céu azul, azul e então cinza, cinza.

Qual não foi sua surpresa ao se pegar sentindo o mesmo sentimento de quando era ela quem brincava de ser tantas, nas calçadas de sua infância.

Sempre soube - de um jeito escondido, misterioso, temido até - que a vida aconteceria de modo a lhe ensinar as levezas. Só que nunca imaginou que, para aprender a existir, sem o peso do mundo nos ombros, teria de conhecer as suas asperezas, reconhecer suas dolências, apreciar sua psicologia inversa. E que demoraria tanto para alcançá-la assim, a vida em festa, musicalmente aprazível como a gargalhada do menino que brinca nas calçadas da vida, sem nada saber além de que, naquele momento, a vida é alegria.

Imagem: sxc.hu

carladias.com

Comentários

Zoraya disse…
Mais uma leveza da Carla. Se um dia você publicar (aliás, cadê, hein?) um livros com essas suas crônicas leves, periga de eles saírem voando por aí."Mudou-se, então, para dentro de si e para a rua arborizada de um bairro diferente.", lindo. E aprender que o bem que fazemos quase nunca é retornado pela mesma via è um primeiro passo para a libertação do ego. Seria bom já nascer sabendo isso.
albir disse…
E por que esquecemos, Carla, que, quando brincamos nas calçadas da vida, não precisamos saber nada além de que, naquele momento, a vida é alegria?
Carla, li não apenas como se fosse a meu respeito, mas como se fosse meu. :)
Carla Dias disse…
Zoraya... Eu vou construindo livros com essas crônicas leves. Se um dia ele resolver sair pra vida, pra ganhar dedos para folheá-los, quem sou eu para impedi-los, não? Vamos ver aonde eles vão chegar.

Albir... Acho que esquecemos de propósito, viu? Porque seria impossível realizar coisas, conquistar coisas que julgamos necessárias sem nos distrairmos com aquele momento, aquela alegria.

Eduardo... Te dou de presente. É seu :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …