terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

NÃO ESTÁ FÁCIL
>> Clara Braga

É, não deve estar fácil para ninguém mesmo. E, diferente do que você deve estar pensando, eu não estou falando isso por causa da renúncia do papa, apesar de achar que querer que as pessoas assumam cargos para o resto de suas vidas em uma época em que estamos vivendo demais — algumas pessoas até mais do que o necessário — é sacanagem, até para um papa. Não vou entrar nesse assunto.

Eu estou me referindo à questão financeira dos moradores de Brasília! Carnaval por aqui significava cidade mais do que vazia. Os que gostam de carnaval saíam daqui correndo à procura de um lugar onde de fato tivesse carnaval para curtir. E os que não gostam, procuravam um lugar tranquilo apenas para descansar no feriado.

Eu, particularmente, gosto de carnaval, mas aprecio ainda mais ter uns dias de folga para não fazer nada além de ler uns livros que estavam parados por falta de tempo e assistir a alguns filmes, principalmente faltando pouco tempo para o Oscar. Ou seja, Brasília era o lugar mais do que adequado para essas atividades nessa época. Cidade vazia, tranquila, e com sessões de cinema à vontade. Engano meu...

Fui ao cinema achando que seria muito fácil achar uma sessão, como todos os anos é, e, para minha surpresa, todas estavam lotadas, até as que começariam muito tarde. O que será que deu nas pessoas que não quiseram ficar em casa assistindo ao desfile das escolas de samba? Bom, o jeito foi ir a um restaurante e jantar. Fila de espera. Mas todas as pessoas que não viajaram ou não ficaram em casa assistindo às escolas de samba estavam no cinema, como pode um restaurante estar lotado?

Após um bom tempo de espera, consegui jantar. Da minha mesa, via a fila de espera aumentando cada vez mais. Ao ir embora, no caminho para casa, passei pela rua principal daqui, que estava fechada por causa de um bloco de rua que estava passando. E não é que o bloco estava lotado! Não acreditei, normalmente esses blocos de Brasília até são animados, mas não dá para esperar que estejam lotados, afinal nunca tem muita gente na cidade, principalmente as que gostam de carnaval.

Não sei explicar que fenômeno aconteceu, não sabia que Brasília tinha habitantes suficientes para lotar restaurantes, cinemas e blocos de rua no carnaval. Ou o número de habitantes triplicou e ninguém me avisou, ou então a vida não está mesmo fácil para ninguém, a começar pelo papa.


Partilhar

2 comentários:

Violeiro Andarilho disse...

Oi, Clara!

O Brasil, ao contrário do que se publica aqui e no exterior, não é o país do carnaval. Seguramente, mais da metade da população não brinca carnaval e não gosta da bagunça carnavalesca. Como a população cresceu e os cinemas e restaurantes nem tanto, estão todos lotados.Tive a mesma experiência aqui em Maceió neste carnaval.

Obrigado pelo texto!

Eduardo Loureiro Jr. disse...

Clara, então acho que fiz bem em ficar em casa na maioria do tempo, vendo filmes no computador. :)