Pular para o conteúdo principal

O PRESENTE >> Eduardo Loureiro Jr.

Ah, mãe...
Eu queria lhe dar...
Um presente que eu tenho certeza
de que você iria gostar.

Não é conjunto de panelas — você mal sabe cozinhar, embora seja uma delícia o seu miojo, sem falar no seu arroz com ovo.

Não é perfume, tampouco, porque eu sempre preferi mesmo seu cheiro, aquele que fica guardado no seu lençol com o qual eu gostava de me enrolar inteiro — quando eu era criança e até depois de velho.

Não é flor nem rosa ainda, essas eu deixo pro pai, que é romântico bem mais, e entrega pétalas com rimas.

Não é nem poema — alimento, aroma e adorno de palavras — porque faz pouco tempo que eu cantava minha mãe, minha musa, minha música.

Bem que poderia ser esse clima, em que faz sol sem deixar de fazer frio, combinação perfeita de afetuosa luz e arrepiado carinho.

Ou então essa lua, que aqui é inclinada: uma cadeira de balanço na varanda das madrugadas.

Mas não, não é.

Nem posso ser eu, o meu corpo — o presente da presença — embrulhado em abraço e com beijo por etiqueta. Eu que estou sem barba, do jeito que você gosta, e de camisa amarela brilhante: ouro do peito às costas.

Ah, mãe...
O presente que eu queria lhe dar...
Com a certeza de que você iria gostar, estava aqui até um dia desses, guardado no coração e revelado no sorriso. Mas por um descuido — eu nem sei qual — descompassou no peito e escorregou do lábio; virou insensato sobressalto ou saliva ressecada num guardanapo.

Eu tinha cá comigo o presente perfeito, que você sempre quis. O presente que toda mãe pede em cada cuidado, carão, conselho e bênção: "Meu filho, seja feliz".

Ah, mãe, eu tinha minha felicidade aqui, tão certa, prontinha para lhe dar. Mas ela — bandoleira — saiu para passear.

E na falta de minha felicidade — esse presente sensacional que eu ainda vou lhe dar —, mãe, Mainha, por favor, aceite esse presente tão antigo e repetido: o meu desembrulhado, e usado, amor.

Comentários

Mãe disse…
Linda e emocionante sua crônica... também cheia de suspense.
Você realmente sabe o que eu mais quero na vida - a felicidade dos meus filhos. Quando eu tiver a plena certeza disto, não terei mais medo de nada... nem mesmo de morrer.
Beijo.
Amo vocês.
Tia Monca disse…
Oi Junoca,

Mais um lindo presente prá mainha!

E quando você descobrir um jeitinho de segurar a felicidade bandoleira, nos ensina, pois a minha vive saindo para passear :)

Um abraço carinhoso,

Tia Monca
Hebinha disse…
Eduardo Júnior,também achei linda, emocionanate e surpreendente.
Que felicidade essa, heim, tão sonhada, tão desejada, tão bandoleira.
Mas também tão certa e poderosa: "esse presente sensacional que eu ainda vou lhe dar"; "não terei mais medo de nada".
Por fim, que presente maravilhoso o que ficou pra hoje: "esse presente tão antigo e repetido: o meu desembrulhado, e usado, amor".
Beijo, encantado,
Hebinha
Felipe disse…
Rapaz, só sendo transmissão de pensamento. Imagine você que anteontem, quando eu estava colocando seu xarazinho pra dormir, me lembrei do que a minha avó e meus pais sempre me diziam quando eu lhes pedia a bênção: "Deus te faça feliz!", diziam eles. Imediatamente fiz o mesmo pedido a Deus: que ele faça Eduardo feliz. Pedido que repeti ontem e hoje. Eis que agora leio sua crônica e ela fala exatamente disso.

Não posso dizer que sou feliz - acho que seria um exagero - mas posso dizer que estou feliz. Feliz por ter um filho tão maravilhoso. Um presente de Deus.

Pois bem, você me fez perceber o quanto é importante dizer àqueles que nos querem bem que estamos felizes. Já não posso dizer isso à minha avó nem à minha mãe, pois elas se foram há mais de vinte anos. Mas amanhã vou correndo dizer ao meu pai. Acho que ele vai gostar de saber que as preces que fez foram atendidas. :)

Eu não sou mãe mas acabei recebendo, também, um presente. Obrigado, meu amigo.
Carla Dias disse…
Ah, que esse presente é pra fazer mãe se derreter toda, mesmo que ainda espere por esse presente especial que é a felicidade de filho.

Como a felicidade é uma dona desvairada, o amor faz a vez, não é? E faz muito bem...
Mãe, seu comentário vai me fazer apressar a entrega do presente. :)

Tia, será que a gente tem que sair pra passear com a felicidade? :)

Hebinha, seu encanto é que é certo e poderoso incentivo às minhas palavras. :)

Meu querido amigo, bom saber que estamos sintonizados no pensamento da felicidade.

Carla, você me fez pensar que o amor talvez seja o cheirinho que a felicidade deixa em casa quando sai pra passear. :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …