Pular para o conteúdo principal

DA LOUCURA INOCENTE [Debora Bottcher]


Ela rasgava suas próprias vestes e quando questionada, respondia que abria brechas para que seu corpo enxergasse. Dizia que as roupas a cegavam e tinha que evitar que alguém a machucasse.

Vestiam-na sempre com trajes surrados - dada a inutilidade de aprumá-la -, carinhosamente explicando que eram “defensores do sono”. Ela tinha medo de dormir. Contava que uma vez dormira e algo que morava em sua alma escura ficara acordado. Ela não cuidara de si e fora engolida por esse abismo.

Reclamava do frio mas era impossível aquecê-la: ela estava sempre gelada.

Em outra ocasião contou que descansava à beira de um lago numa floresta densa e os lobos vieram e roubaram sua filha... Pedia a todos que ficassem sempre alertas.

Uma vez falou sobre pontes num vale de fogo que lhe ardia a pele. Ela olhava para as chamas, distraída, e fora inteiramente queimada. Falava de barcos e de como gostava de olhá-los. Descrevia um rio que ninguém sabia onde era. Pedras formando cachoeiras, brisa fresca. O rio a olhava... Até que um dia fechou os olhos e as águas arrastaram uma parte dela. Não durma, era o seu conselho constante...

A casa na colina era toda branca. Nas janelas e portas, grades de ferro fundido. O silêncio predominava, exceto pelos sussurros de seus habitantes que conversavam sempre à meia voz, como quem conta segredos.

Ninguém sabia o nome daquela aparente menina que chegara ali trazida por um carro de luxo, num vestido claro de seda florida, havia quase cinco anos. O motorista dissera que a encontrara nas ruas, mas os que a receberam nunca acreditaram nessas palavras. Chamavam-na de Luz porque seus olhos tinham um tom diferente e oscilavam a cor. Ela tinha os cabelos dourados, sempre emaranhados porque nunca se penteava. Era bonita, muito embora sua beleza se perdesse nas sombras em que vivia mergulhada.

Sentava-se sobre a grama todas as tardes para namorar o pôr-do-sol. Em noites de Lua cheia, debruçava-se na janela trancada: permanecia ali até o amanhecer.

Falava pouco; entretanto, às vezes cantava e dançava no pátio. Fazia arranjos de flores e costurava, incansável, pequenas bonecas com os tecidos irregulares que cortava. Distribuía-os entre as outras mulheres como se fossem presentes, pequenos tesouros.

Raramente sorria, mas quando o fazia podia-se ver a pureza e delicadeza no gesto. Não era agressiva; contudo, quando a forçavam a se deitar, ela se debatia, chorava, soluçante. Ninguém compreendia...

Um dia, um rapaz chegara no lugar pedindo abrigo por uma noite. Ela estava sentada no jardim. Ficou olhando muito tempo para ele, que esperava. Ele também a olhava e seu pensamento vasculhava a razão pela qual ela estaria ali.

Aproximou-se. Ela lhe sorriu e contou suas repetidas histórias: as roupas rasgadas, o rio, as pontes, os lobos... Estar atento. Ele ouviu, muito paciente, e movido por repentina paixão tocou-lhe o rosto.

Percebeu-se relatando para aquela moça de olhos brilhantes suas dores e sofrimentos até aportar ali. Falou das noites em que dormira sob a luz da Lua, debaixo do manto suave da escuridão. Falou dos ventos cortantes: também ele sentia frio. Contou sobre os dias em que percorrera matas, sinuosas trilhas que pareciam levar a nenhum lugar. Perdera-se infinitas vezes... Mostrou a ela castelos, bichos, escadas, universos inteiros que se espalhavam no céu através das nuvens. Falou sobre os mares, descreveu a imensidão: ele gostava de velejar e construíra muitas jangadas para cruzar o oceano de um lado a outro. Seguia uma estrela, ele lhe disse sorrindo. Ela riu.

Viu-a aninhar-se em seus braços, criança em busca de afago. E quando voltaram dizendo que ele podia ficar, ele a tinha adormecida no gramado verde, numa tarde azul...

Imagens: Young Woman Standing at Window, Erica Shires; Saudade, Eärwen Tulcakelumë

Expressões Letradas

Comentários

Uau, Debora! Que arraso de crônica. E esse início é uma das mais belas aberturas literárias que já li. Parabéns!
Anônimo disse…
cronica muito linda!!!!!!
parabens!!!!
Carla Dias disse…
Débora...

Sua crônica me lembrou livros que li sobre as wiccas e seus lugares mágicos; olhares caçando cenários fantásticos. Acredito que a busca pelo sagrado feminino desaguou na sua crônica... Tudo de dentro pra fora, exposto em beleza, ainda que dolente.

Belo texto.
Debora Bottcher disse…
Ai, gente! Um beijo pra todos vcs. :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …