Pular para o conteúdo principal

CIDADE ENCANTADA [Debora Bottcher]


Do alto de uma montanha, na varanda do chalé de madeira, eles olhavam a cidade imersa no vale. Sorriram, encapuzados até o pescoço por conta do frio. Fazia algum tempo tinham ido viver ali. Lá embaixo, os movimentos do vilarejo revelavam uma manhã de sábado acolhedora embora a temperatura permanecesse baixa.

A vida por ali é tranqüila. O lugar está sempre repleto de viajantes, pessoas que vêm quase sempre sem a menor intenção de ficar.

Casas de chocolates, perfumes, vinhos e especiarias figuram o cartão de visitas para receber esses que perambulavam pelas ruas estreitas, de pedras, cercadas pelo vento cortante.

Rodeada de montes, chamaram-na Monte Verde e ela se fez verde de verdade: verde de esperança, de chegadas, partidas, idas e voltas intermináveis em busca de origens, mistérios, sonhos, carinhos. Alguns encontram o que desejam: somente esses criam raízes.

Por todos os espaços, fornalhas são expostas alimentadas pela lenha seca que aquece os ossos e as almas. Dizem que fantasmas caminham pelas alamedas na noite escura. Que o lugar é envolvido por criaturas errantes e perdidas que ali viveram suas chagas, dores e mágoas. Contam que o frio que percorre cada canto vem de uma legião de mortos que habita todos os poros. Pelas fendas de suas vestes negras eles observam os transeuntes e lhe impõem a sensação gelada do abismo.

Contudo, o que realmente se observa são pessoas envolvidas pela magia e receptividade de um povo tão turista quanto esses de passagem. Tudo ali é um pouco irreal, parecendo-se com uma cidade de bonecas criada por mãos afoitas e infantis na ânsia de brincar sentindo-se “gente grande”, governantes supremos, reis sem fronteiras...

Quem para ali se dirige vem em busca do aconchego e de uma paz repleta de carícias. O sorriso ostentado em rostos pálidos pela geleira de um inverno intenso acolhe os corações frígidos vindos de cidades distantes.

Não há luxo. Pelo vale inteiro, vê-se cabanas de madeira mogna, rústicas e aquecidas, camas encerradas em colchas de retalhos, tapetes antigos, pequenos quadros com fotos da paisagem nata, lareiras constantemente acesas.

Das frestas das janelas - que quase sempre estão fechadas -, pode-se ver a névoa que cobre o lugar nas manhãs claras que mesmo com sol a pino continuam frias.

Não é difícil estabelecer certa cumplicidade com o local. Soberana em sua tranqüilidade mansa, os viajantes se deliciam com a terra vermelha, a mata virgem e densa, o ruído silencioso das vozes baixas, a brisa gelada que convida ao abrigo humano. Caminham por entre as árvores que formam uma serra, trilhas feitas por seus próprios rastros em círculos que levam sempre ao ponto de partida. Chegar e partir sempre do mesmo lugar. Não há como se perder, exceto quando se embrenham dentro de si mesmos querendo descobrir o segredo que as estradas contém.

Sem praças ou coretos, na entrada divisa-se apenas um lago farto de garças. Essa é a natureza animal à vista. A restante, esconde-se no meio da floresta à espreita, à espera, à caça sem oferecer perigo.

Para se alcançar esse paraíso envolto em sombras e mágicas, um único acesso de solo batido que cruza alguma rodovia tumultuada. Muitos chegam até ali alheios do rumo que haviam definido. Outros, por indicação desses primeiros. Alguns, em busca de se encontrarem.

Esse era o caso de Ninna e Marco. Partiram de suas cidades e descobriram-se ali. Permaneceram no lugar e na vida um do outro. Agora, compartilhavam do amor e de algo que se misturava com o campo verde, os fantasmas da noite, as lareiras quentes, os silêncios das vozes, a cumplicidade do compartilhar...

Do chalé de madeira no alto da montanha, mais do que observar o deslizar calmo de uma forte corrente de elos que se interligam, eles podiam sentir a felicidade passeando nas ruas de pedras, nos perfumes suaves, nos sonhos mais doces que os doces que eram vendidos nas charmosas casas de chocolate do mundo todo...

Imagens: Trailing Pear on an Austrian Chalet, Adam Woolfitt; La Clusaz, Rhone Alpes, France, Hekimian Julien; Young Couple Drinking Hot Chocolate, Tim Pannell

Expressões Letradas

Comentários

Debora, seu texto me fez lembrar da minha dificuldade em ler (e visualizar) descrições.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …