Pular para o conteúdo principal

DA MORTE E SUA BANALIDADE [Debora Bottcher]



“- O Rei morreu! / - Viva o novo Rei!” (Do Popular Inglês)

Três dias depois da morte da escritora Zélia Gattai, eu li que estavam abertas as inscrições para a cadeira dela na ABL.

A China ainda conta seus mortos no terremoto que dizimou cidades praticamente inteiras, mas há imagens por todo canto de homens numa função, digamos, meio fora de contexto para o momento: empenhando-se na restauração dos monumentos. Ao pé de suas escadas, descansam mochilas das milhares de crianças soterradas numa escola próxima.

Estou imaginando que a cadeira do senador Jefferson Péres, morto na manhã de ontem, demorará menos de três dias (úteis) para ser ocupada. Na segunda, talvez, por conta do final de semana.

É como as coisas são: a vida não pára e é urgente. Pra que se demorar em prantos desnecessários?

**********


Outro dia, fui carregada por uma prima para uma palestra espírita. No meio do sermão, o orador disse que fora convidado para integrar uma equipe que está escrevendo um livro na tentativa de responder as 100 maiores questões da humanidade. Informou que podíamos deixar nossas perguntas na urna colocada na entrada e continuou dizendo que a interrogação mais recorrente é “O que há depois da Morte?”. Pareceu-me que ele não sabia responder.

Na seqüência, fez uma brincadeira: “Tenho aqui em mãos uma passagem para Paris, outra para a Itália, uma para Londres, também para Nova Yorque, e uma para o Além.” Não havia voluntários para o último destino.

A atriz Julliane Moore, em entrevista na pré-estréia em Cannes do filme Blindness, que protagoniza, disse uma frase que me chamou a atenção: “Quanto mais envelhecemos, mais gostamos da vida.” Que o diga Zélia Gattai que, aos 91 anos, dias antes de ser encaminhada ao hospital para a cirurgia que desencadearia em sua morte um mês depois, disse ao filho que tinha medo de morrer.

É como as coisas são: uma hora a vida estanca e deixa de ser urgente – para nós.

**********

Mas a maioria de nós não pensa na morte, vamos combinar. Apesar de sabermos que todos, sem exceção, vamos nos deparar com a tal Sra., não ficamos elocubrando quando isso se dará – inclusive porque quem o faz pode ser encarado como depressivo, até louco!

Então a gente finge que não é com a gente – afinal, foi o outro que morreu, não eu. Por que é que eu vou perder tempo com isso?

Eu sei que esse é um assunto do qual ninguém gosta de tratar - Clarice Lispector diria que é uma gafe falar sobre isso! -, mas vem me incomodando (ainda mais) a banalidade com que a gente embala nossos mortos.

É tudo uma estatística: a bala perdida, os acidentes de trânsito (nunca vi tanta gente andando na contramão como agora!!!), o terremoto, o vulcão, os furacões, as doenças terminais. As pessoas viram um número para manchetes e planilhas, os governantes decretam luto de três dias, se a estatística é grande a população faz um minuto de silêncio – na China fizeram três! -, e seguimos em frente.

A mim parece que a vida está perdendo o valor. Antigamente – e nem precisa ir tão longe, basta caminhar uns cinqüenta, cem anos – a sociedade chorava seus mortos com mais sentimento, e se conformava menos com o ceifar da vida. Hoje, com tanta modernidade, com tanta evolução, morre-se aos solavancos e a gente acha tudo normal – se vacilar, nem se comove mais.

É como as coisas têm sido. Daí vou parodiar a própria Morte no livro A Menina que Roubava Livros, de Markus Zusak: “Os seres humanos me assombram."

Imagens: Black Face Out Of White Face, Wieslaw Rosocha; Capa do livro 'A Menina que Roubava Livros'

Comentários

Carla Dias disse…
Débora,

Compreendo a sua indignação frente a forma como, atualmente, lidamos com a morte. Que ela seja uma dona que vive às escuras, tudo certo. Porém, falássemos sobre ela como falamos sobre a vida, viveríamos em constante espera pelo fim.

Concordo que nos tornarmos estatísticas é dolorido. Mas também gosto de pensar naqueles outros números... Os milhares que se voluntariaram para cuidar dos que sofreram com tragédias; os que não trafegam pelos noticiários, mas estão lá, colaborando com a vida, enquanto a morte é iminente.

O que quero dizer é que concordo com o que você diz na sua crônica, mas se nos dão estatísticas, nos mostram indiferença, melhor observar, além do que nos é oferecido. É preciso saber que há aqueles que choram seus mortos e celebram suas vidas com real interesse pelo o que acontece ao outro; e eles não são números ou pauta de noticiário de televisão. São pessoas comprometidas com seus sentimentos.

Os seres humanos assombram, mas também nos surpreendem de uma maneira muito intensa e benevolente.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …