Pular para o conteúdo principal

PARA ONDE VOU QUANDO FUJO DE MIM >> Carla Dias >>

Veio-me a cena de quando visitei um amigo, há muitos anos. Foi a primeira vez que entrei na casa dele. Na época, eu era professora de bateria desse amigo que, além de ter talento para a música, era poeta e artista plástico... E era muito bom exercendo esses papéis.

Ele ficava no porão da casa e lá construiu um universo de cores, imagens e palavras. Lembro-me da sensação de êxtase ao ver aquele espaço intensificado pela arte dele. Lembro-me da alegria por ele ter optado por dividir isso comigo.

Meu amigo mantinha ali o seu lar e uma rota de fuga. Quando se cansava do mundo, e até de si mesmo, mergulhava naquele universo, e de lá só saía depois de muito revirar sentimentos. Às vezes, ele voltava inteiro da jornada, compreendendo situações, aceitando limitações. Em outras, voltava como quem não saiu do lugar.

Uma amiga deu o título de Para onde vou quando fujo de mim para uma série de fotografias de sua autoria. Artista plástica, jornalista, mãe de dois meninos lindos que só, a Carmen também me ofereceu, através desse título, um questionamento:

Para onde vou quando fujo de mim?

Meu amigo ia para seu porão encantado, mas eu também tinha lá minhas rotas de fuga. Com o tempo, elas foram mudando... As saídas ficaram ainda mais difíceis de encontrar, mas sempre vale o esforço e eu as alcanço. Reinvento-as sempre que empalidecem.

Quando fujo de mim, não vou pra Califórnia como o Led Zeppelin foi com a sua canção. Há uma década, eu costumava colocar a cadeira no quintal, madrugada alta, sentava-me com a cabeça apoiada, de jeito a ver o céu. As noites de inverno eram as preferidas para esse ritual de namorar estrelas. Anos depois, cortejar a lua pela janela; e então as longas caminhadas pela cidade. Contar telhados, traduzir jardins, desvendar olhares.

Quando fujo de mim vou parar na poesia das coisas, e sim, romantizo até doer, porque disso não dá pra fugir: sou uma romântica até de cara com a dolente melancolia. Vivo de reerguer sonhos de destroços; empinar esperanças. Vivo de confiar que o melhor há de chegar, portanto, é preciso arregalar os olhos para não perdê-lo de vista.

Para onde vou quando fujo de mim?

Para o meu dentro... Às vezes, perco-me por lá e passo dias a empurrar a realidade e a obedecer os acenos do relógio, a lista vigente de afazeres. Em outras, invento personagens... Dou-lhes nome, destino e identidade. Crio tempo para eles, fomes e sedes; sutis rebeldias e extravagantes ideais. Acampo na história deles que, apesar de ter muito da minha, é outra.

Esses lugares, sentimentos, sensações para onde vamos quando fugimos de nós mesmos, também nos definem. Fugir é bom, mas voltar é melhor ainda. Reencontrar quem somos e adicionar nessa existência o que aprendemos ao nos ausentarmos, é também dedicar a nós mesmos um tempo para tecer recomeços. Alimentar compreensões.


Imagens: Carmen Novo >> Para onde vou quando fujo de mim


www.carladias.com

Comentários

ines disse…
Bonita e interessante sua crônica, Carla.
"Para onde vou quando fujo de mim?" poderia ser complementada por outra pergunta, "Para onde vou quando sinto saudade de mim...?"

Vou dormir querendo saber quais são minhas rotas de fuga.

Abraço,

Inês
Carla Dias disse…
Oi, Inês...

O bom do questionamento é que ele se desdobra, não?

Espero que suas rotas de fugas sejam tão bacanas quanto as linhas de chegada.

Abraço!
Longas caminhadas e filmes em seqüência... grato por me fazer atentar para minhas próprias rotas de fuga, Carla.
Carla Dias disse…
Está convidado para todos os passeios interiores que eu fizer, meu amigo : )

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …