PENDÊNCIAS >> Paulo Meireles Barguil

Cada pessoa tem as suas, que variam em quantidade, duração e importância.


A elaboração de lista não indica um compromisso e um desejo de saná-las, pois aquela pode ser apenas uma dissimulação para si e/ou para os outros.


Superada esta preliminar, há de se considerar que, muito raramente, a ordem indicada é cumprida.


A quantidade de itens relacionados ressoa diferentemente nos indivíduos: há quem se sinta perdido diante de poucas tarefas, enquanto há quem se paralise quando mira vários trabalhos. 


A duração estimada na solução também é uma variável nesta equação, uma vez que tendemos a refutar situações que demandam muito tempo e privilegiar as que requerem pouco. 


A importância é um aspecto paradoxal: a relevância de uma missão influencia na sua escolha, pois, a depender da configuração psíquica do indivíduo, que é majoritariamente desconhecida, ele poderá adiar ad eternum o desfecho daquela.


Infelizmente, não são poucas as pessoas que optam por resolver as menos relevantes, que não impactam tanto na qualidade da sua vida, e desprezar as mais significativas, perpetuando, assim, sentimentos e pensamentos que não lhe proporcionam satisfação, muito pelo contrário.


O que você pode fazer hoje para lhe proporcionar alegria que tem sido adiado há tanto tempo?

Comentários

Zoraya Cesar disse…
Paulo, acho q vou deixar esse seu texto e essa pergunta q vale milhões aberta na minha tela.
Albir disse…
Que interessante, Paulo!
A agenda de papel há muitos anos atrás foi uma revolução pra mim. Estabelecer prioridades com uma lista na mão fica muito mais fácil. Dá concretude aos pensamentos.

Postagens mais visitadas deste blog

A FELICIDADE >> Sergio Geia

EM SÃO BENTO >> Sergio Geia

TRÊS CIGARROS E UM CINZEIRO >> Zoraya Cesar