PIANO >> Whisner Fraga

a menina se cala na beirada.

escora os dedos num rumor de cuidados.

depois um acorde se entranha nas sombras.

a menina acompanha as mãos e se assusta com os movimentos ressoando a música.

a menina para, vasculha as teclas.

uma formiga pisoteia o infinito e não encontra o ninho.

a menina percebe.

a menina reconhece o incalculável e prova um mal-estar.

contempla uma serenidade quase comovente.

a janela é um infinito em um quadro.

o que busca?

a menina apaga a luz e se deita.

Comentários

Sandra Modesto disse…
Lirismo e profundidade. Uma doçura essa menina. E ao mesmo tempo forte. Parabéns!
Carla Dias disse…
Um texto tão delicado e ao mesmo tempo contundente. Que lindeza, Whisner... Que lindeza...
Zoraya Cesar disse…
Whisner, estou ficando sem palavras para, mais que elogiar a beleza extrema e a excelência desses seus textos em volta da 'menina', expressar a ternura e o espanto inefável que eles me causam. Só me resta agradecer.
Albir disse…
Que os dedinhos da menina continuem nos apontando coisas que sem isso não veríamos!

Postagens mais visitadas deste blog

SETEMBRO DE MANHÃ >> Sergio Geia

MELANCOLIA >> whisner fraga

FEIJOADA NO SIMEÃO >> Sergio Geia