Pular para o conteúdo principal

O BEIJO VERMELHO ou O HOMEM E SUA CUECA >> Zoraya Cesar

Os mais conservadores podem ficar chocados. A cena, porém, é bem mais comum do que aceita nossa vã imaginação. 

Comecemos pelo quarto, decorado feito uma tenda oriental no melhor estilo produção hollywoodiana do século passado: almofadas e tapetes multicoloridos espalhados pelo chão, uma cadeira otomana estilizada à moda antiga, um dossel sobre uma larga cama, bandejas com frutas e mel, enormes ventarolas de plumas... só faltavam os eunucos besuntados de óleo e as câmeras de filmagem, pois a odalisca, a odalisca estava lá. 

Se o décor era hollywoodiano, a atriz principal em nada lembrava as esqueléticas protagonistas contratadas pelos estúdios. Alta, o corpo cheio de carnes e curvas na medida certa, seios protuberantes. A pele muito branca, quase leitosa, contrastava escandalosamente com os olhos verde-perdição, com o batom vermelho-pecado e com os longos cabelos negros, mais negros que a asa da graúna – um momento. Ninguém aqui já viu uma graúna sequer, a não ser a do Henfil. Vamos de novo: ela tinha os cabelos mais negros que carvão, assim como o esmalte das unhas, compridas e bem feitas. Vestia-se tal qual Jeannie é um gênio, com exceção de um pequeno detalhe, quase mínimo, não tivesse – esse detalhe – 15cm de comprimento: um chicote. Um chicote que a odalisca brandia, de tempos em tempos, acima do homem nu a seus pés.

Hein? Que homem nu? Ah, sim, desculpem, esqueci de terminar o cenário. Rastejando ao chão, um homem nu abjetamente implorava para beijar os pés da odalisca, ser pisado, chibatado, maltratado, pois ele era um menino mau, muito mau. 

Tudo mais falso que a decoração. Pura encenação. O homem em questão desmaiava ao ver sangue e não suportava dor. Ele queria mesmo era sentir medo, a sensação de que ela, se quisesse, poderia machucá-lo, feri-lo, vergastá-lo – poderia; mas não o faria. E, por algum motivo que foge à compreensão das almas mais cândidas, ele gostava de implorar para beijar os pés daquela mulher. Era o fetiche dele, fazer o quê?

As íris verde-perdição da odalisca olhavam-no com um misto de tédio e desdém. Estava acostumada àqueles tipos, era seu trabalho. Sua parte resumia-se a representar o papel de uma dominatrix das mil e uma noites, tal qual o imaginário popular exigia. Se o cliente queria algo, digamos, mais vívido, bem... para cada coisa, seu preço. Menos para o sexo. O programa incluía, tão somente, o uso convincente de apetrechos e pantomimas de dominação. 

Armado o cenário e explicado o argumento, continuemos o roteiro. Usualmente, ao acabar a sessão, os clientes se vestem, deixam o dinheiro e vão embora. Às vezes, no entanto, a odalisca os surpreende, vestindo-os, ela mesma, para, ao final, dar-lhes um tapa na cara. Um brinde de despedida, digamos, um mimo. (Alguns de seus clientes morreriam, matariam, pagariam fortunas por esse momento. Mas ela só o fazia quando lhe dava na telha. Como agora).

A primeira peça que ela pegou foi a cueca. Elogiou-lhe a brancura e a limpeza imaculadas. 

- É minha mulher quem lava. 

odalisca levantou uma das sobrancelhas, sem tecer comentário. Todos temos nossas idiossincrasias. Não vivia ela, exatamente, das idiossincrasias alheias? Continuou o jogo. Tendo o cuidado de não deixar marcas de seu batom vermelho-pecado, sussurrou-lhe ao ouvido:  eu também posso lavá-las pra você.

Ele ri, um tanto altaneiro, sem entender o jogo.

- Não, querida. Você é minha gostosa, não minha mulher. É privilégio da minha mulher lavar minhas cuecas e, antes dela, minha mãe. Eu nunca na minha vida lavei minhas cuecas.

Ela engole o "querida" e o "minha gostosa" com saliva, levanta ambas as sobrancelhas e, sem falar nada, circunda-o até postar-se atrás dele. Passa suavemente as unhas em suas costas, arrepiando-o de prazer e medo - e se aquela tigresa deixasse arranhões que ele não teria como explicar à esposa? A odalisca, no entanto, agacha-se e, lentamente, veste e sobe a cueca pelas pernas do homem que nunca lavara suas próprias peças íntimas. Murmurava e ciciava palavras doces e sensuais, deixando o sujeito inteiramente tonto, desapercebido do que acontecia às suas costas. 

O batom vermelho-despudorado
deixa sua marca na cueca,
não mais imaculadamente branca,
do homem que nunca lavara
suas próprias cuecas.
Ao terminar, os olhos verde-sedução dela apreciam divertidamente o resultado de sua obra: um grande e despudorado beijo vermelho-escândalo a marcar, para sempre, uma cueca que jamais voltará a ser branca, jamais voltará a ser lavada, um beijo que jamais terá explicação.

Sorriu, satisfeita consigo mesma. A marca indelével na cueca seria o tapa na cara, o brinde, o mimo de despedida. E, condescendente com o sujeito, terminou de vesti-lo, alegremente. 

Despediram-se. Até a próxima, disse ele. Até nunca mais, sabia ela. 

Fechada a porta, ela se despe da ridícula fantasia e recosta, preguiçosa, na cadeira otomana. Acende um cigarro, espreguiça-se tal qual um gato ao sol. Um homem que não lava as próprias cuecas, vê se pode isso!

E, langorosamente, retoca o batom vermelho-lição.



Foto:  4304553 in Pixabay

Comentários

Ana Luzia disse…
Batom vermelho-lição, muito interessante essa cor, kvou procurar po aí, kkkk...
Unknown disse…
Kkk essa foi ótima... Se ele tiver sorte de ver a marca do batom quem sabe passa a lavar as próprias cuecas... Ou então vai queimar essa... E se a mulher contar as cuecas dele?... É foi uma bela lição. Tá ferrado de qualquer jeito hahaha
Carla Dias disse…
Zoraya, "batom vermelho-lição" é muito bom! Ótimo roteiro-lição para aqueles que são nada gentis com a realidade e a rotina... E as pessoas que os amam. Beijo.
Anônimo disse…
Batom na cueca, sempre foi motivo de brigas e uma das forma das amantes "despacharem" as titulares! Isso é antigo, apesar que antigamente, as titulares mais espertas, engoliam esse sapo, e como com isso, sabendo que tinha amante na área, tratavam de se cuidar!
Hoje, se bobear, a titular, principalmente se o homem for interessante, por algum motivo, para ela, pode ainda chamar a amante para fazer um "menáge à trois"! Hahaha...
Marcio disse…
Dispensar um cliente, nos tempos atuais de crise, é um luxo para poucos. Muito próspera, essa odalisca!

Sugestão de desculpa para o cueca-limpa: "Querida, você não imagina o que me aconteceu hoje! Comi uma sobremesa quente e, dez minutos depois, bateu aquela diagonal. Não tive tempo de chegar ao banheiro mais próximo, e acabei dando perda total na cueca e na calça!"

Ah, sim: ele deve se apresentar em casa com roupas novas, compradas após a saída da tenda da odalisca.
Clarisse Amador disse…
Adorei a transformação do "vermelho perdição" para "vermelho lição"...hehe E a propósito, acho que essa dica do Márcio não servirá para grandes coisas, pois ele não sabe que foi "beijado" - kkkk Ri por último quem ri melhor
Anônimo disse…
Quem peca q se limpe de suas próprias impurezas! Pois bem feito para ele! Ou melhor, mal feito! kkkkkk

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …