sexta-feira, 23 de junho de 2017

LUA DE MEL, SOL DE FEL, LUA DE MEL... >> Paulo Meireles Barguil


Parece que algumas relações afetivas são baseadas na brincadeira bem-me-quer, malmequer, bem-me-quer...
 
As margaridas, tão singelas e belas, merecem melhor destino do que terem as suas folhas arrancadas por mãos negligentes.
 
O que dizer, então, dos deslumbrantes seres humanos?
 
Impacientes, só queremos o mel e que esse seja trazido, quando o desejamos, pelo outro!
 
É por isso que muitos de nós vagueamos entre lua de mel e sol de fel, sendo esse bem mais frequente do que aquela.
 
Verdades sejam ditas: o mel não está na lua, nem o fel está no sol.
 
Somos nós que criamos a realidade, pessoal e social.

Essa gestação, tal como as demais, é influenciada por vários aspectos e tem ritmo peculiar. 
 
Quem quer conhecer e transformar a sua matriz?
 
A natureza nos convida a assumir a responsabilidade pelo cultivo de jardins internos e externos.

Necessário, pois, revolver as entranhas e a terra, retirar delas o que impede o desabrochar da vida e nelas colocar insumos indispensáveis para que a metamorfose aconteça.
 
Quem tem coragem de sair da Matrix?
 
Podemos aprender tanto sobre a vida com as plantas!
 
Amanhar margaridas, ao invés de desfolhá-las, é um bom começo.

Bem eu quero, Bem me quero, Bem te quero, Bem eu quero...


Partilhar

Nenhum comentário: