Pular para o conteúdo principal

HISTÓRIAS DE UMA VIDA INTEIRA >> Clara Braga

Esses dias conheci uma senhora que é o tipo de pessoa que eu gosto de conhecer: aquela que é cheia de histórias para contar. Conversamos por um tempo e eu já fiquei sabendo boa parte de sua vida e daqueles com quem ela convive.

Logo no início ela falou de sua profissão, professora como eu. Mas estava afastada da sala de aula havia 8 anos, sua última experiência tinha sido um pouco traumática. Parece que a diretora da escola não gostava muito dela, queria que um outro professor assumisse em seu lugar então decidiu complicar sua vida até que ela desistiu e saiu.

Agora estava voltando a trabalhar, tinha cansado de ficar em casa fazendo crochê. O problema é que a escola que ela estava trabalhando era muito longe. De carro era uma viagem de mais ou menos uma hora e meia quando não tinha trânsito, se pegasse engarrafamento a viagem chegava a duas horas fácil. Mas ela estava sem carro então tinha que pegar ônibus, o que fazia com que a viagem passasse a ter três horas de duração. Ao todo passava seis horas viajando por dia, o que a fazia perder muito tempo do seu dia. Isso seria ruim para o seu negócio de crochê, pois iria atrasar as entregas e poderia acabar perdendo seus clientes.

Não que perder os clientes agora fosse muito problemático, pois seu marido trabalha e seus filhos já são grandes. Filhos aliás que dão trabalho desde pequenos. Que gestação complicada foi a dela! Parece que a placenta foi formada muito baixa e isso causava muitas dores e por vezes tinha hemorragia. Dos 9 meses da gestação acabou ficando mais em hospital fazendo repouso do que em casa.

Comecei a reparar que em nossa conversa eu estava frequentemente falando a frase: nossa, que complicado, deve ter sido difícil! Mas isso não era nada, foi então que ela começou a comentar o quanto estava cansada, pois no fim de semana havia ido a um enterro. Uma amiga próxima perdeu o filho em um acidente de moto. Ela fez questão de detalhar o acidente e o estado do corpo quando a mãe encontrou o filho. Eu já estava classificando a senhora como uma pessoa trágica, que é a classificação que eu dou para pessoas que só contam histórias com final triste ou que para cada história que você conta ela tem uma pior ou mais difícil para contar.

Foi nesse momento que ela disse: eu detesto enterros, mas me senti no dever de ir, pois sinto que é como se fosse uma missão minha mostrar para essas mães que a vida continua. Eu perdi meu filho de 21 anos em um acidente de carro. Para ir ao trabalho passo todo dia pelo local do acidente e lembro do dia que cheguei exatamente naquele local para reconhecer o corpo do meu filho e ajudar a tirar o corpo de dentro do carro.

Levei meu primeiro tapa na cara, afinal, “pessoas trágicas” devem ter um motivo para serem assim. Por quais situações será que todas as outras pessoas que eu já classifiquei assim não passaram e seguiram em frente? Foi então que a senhora continuou: sabe, não foi fácil estar naquele enterro e ficar relembrando do acidente do meu filho. A dor de enterrar um filho não deveria ser sentida por mãe nenhuma, mas a mensagem que eu quero passar para as outras mães é que a vida continua e que Deus nunca nos dá uma prova pela qual a gente não consiga passar.

Levei meu segundo e último tapa na cara. As vezes a gente precisa mesmo de um sacode desses, lembrar que não precisamos reclamar de tudo, entender que até quem conta histórias super negativas encontra força para ser positiva na hora que precisa. Não sei se é Deus que dá essas provas ou não, não sei se é Ele que dá a força ou não, mas depois dessa conversa eu tive certeza de que de fato a gente nunca vai passar por uma situação pela qual a gente não consiga passar, seja lá qual for a força que precise intervir por nós. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …