Pular para o conteúdo principal

INVASÕES COTIDIANAS >> Cristiana Moura




Sinto-me invadida.

É a própria vida que me invade: O aroma dos jasmins na Universidade; a lembrança mágica da cachoeira do Buracão na Chapada Diamantina; a lista da feira; as contas a fazer das contas a pagar; o choro de Miguel na madrugada; pensamentos inoportunos quando estou estudando; a cor púrpura das orquídeas; as palavras de Sartre e Simone; a serenidade de Miguel; o abraço bem vindo do amigo; a promiscuidade entre a língua e os morangos prestes a serem destruídos.

Invade-me a vida maculada pelo vivido.

Amém.

Comentários

Zoraya disse…
Belíssimo, Cris. Sem mais palavras.