Pular para o conteúdo principal

ENVELHECENDO >> Sergio Geia



Pois não é que fui parar num pronto-socorro? Meio sem vontade, claro; aliás, quem vai com vontade a um pronto-socorro? Mas imaginar aquela parafernália toda, a demora, e, geralmente, o resultado, que é quase sempre previsível, pelo menos pra mim, já me serve como um bom desestimulante ou uma boa terapêutica, vai, remedinho da hora pra me deixar novo em folha. No entanto, o dia foi passando, o sol mudando de lado e eu nada de melhorar. De café da manhã, uma maçã; de almoço, uma pera.
No caminho fui fazendo o diagnóstico (eu sempre faço isso): vômito + diarreia + calafrio + desânimo + dor abdominal = intoxicação.
A minha única dúvida era saber a causa. Primeiro pensei nuns salgadinhos que eu tinha comido numa festa sábado à noite. Depois, num frango à parmegiana que tinha comprado no sábado, pra comer no domingo. Por fim, o excesso de estrogonofe do almoço de domingo. Tem também aqueles que falam que não foi a comida, mas eu mesmo que não estava num dia bom, pois é. Mas a vilania mesmo, depois de pensar muito, eu entreguei a esse chocolate dos deuses da indústria brasileira: o Ouro Branco. De quinta a domingo, se não errei a conta, comi uns 25.
Comentário 1. Tá bom, eu reconheço, foi demais. Acontece que hoje, com 48, qualquer coisa que eu coma fora de contexto, e fora de contexto quer dizer tudo o que não seja um arrozinho, feijão, grelhados, saladas, legumes, já causa um terremoto na minha barriga. Antigamente eu chegava meia-noite em casa, comia um x-tudo, depois dormia como um anjo. Não precisa dizer. Eu sei. O tempo passou.
Pois não é que fui fazer xixi e a urina saiu vermelha? Sangue. Parecia uma cerveja bock. Primeiro pensei se tinha comido beterraba. Pensei em hepatite (eu já tive hepatite na infância), infecção de urina, pedra nos rins. A recomendação que dei a mim mesmo naquele momento (eu sempre faço isso) foi beber água, muita água, um caminhão-pipa. E a urina foi clareando, clareando, clareando, até normalizar. No dia seguinte, pela manhã, ela voltou vermelha. Fiz a mesma coisa. Ela normalizou, e já faz dias que está normal. Mesmo assim, procurei um médico. Tô fazendo exames. Já vi que na urina, as hemácias estão elevadas; leucócitos também. Amanhã faço um ultrassom dos rins e das vias urinárias. Hoje estou sentindo um desconforto na bexiga que vai e vem.
Pois não é que acordei com uma mancha nas costas? Assim do nada, de coisa nenhuma, tal como aparecem as dores, o torcicolo, o espirro. Dormi com as costas limpas, acordei com ela manchada. De repente, a mancha se instalou na omoplata e lá ficou; gostou das minhas costas. Uma nuvem escura no céu da minha costela. E como o PSDB, não há nada que a faça desembarcar.
Meio arroxeada, ligeiramente escura, e coça. No começo não liguei. Fiz pouco caso, mesmo porque o incômodo era risível. Achei que fosse como mais uma dessas insignificâncias que aparecem, e tão rápido como aparecem, somem. Não foi o caso. Já fui a três médicos, até biópsia quiseram fazer. O diagnóstico que deram é que não é nada, apenas uma inofensiva manchinha. É da idade, disse-me um deles. No máximo uma pomadinha pra aliviar a coceira e, quem sabe, dar uma ligeira clareada.
Pois não é que outro dia eu não arriei o cóccix? Não conseguia fazer yoga, nem andar de bicicleta, uma simples encostada na parede eu já tremia de dor. Nos exames, nada. Segui as prescrições e nada. Com o tempo a dor sumiu. Misteriosamente. Só que eu já tinha ido num clínico geral, num urologista, num proctologista (não me pergunte o que eu fui fazer lá, ok?), nuns dois ortopedistas, muitos exames pelo caminho até chegar ao cóccix.
Comentário 2. É triste, amigo. E inexorável. A não ser que as ideias do Aubrey de Grey comecem a vingar logo, as visitas a médicos, hospitais, laboratórios, clínicas, farmácias, ocuparão cada vez mais um espação na nossa corrida pela vida.
Pois não é que fui comer um amendoinzinho e o dente quebrou? Enchi um copo de cerveja...

Ilustração: Vincent van Gogh

Comentários

Cristiana Moura disse…
É, meu amigo, inexorável.
Mas preciso confessar um prazer em me identificar em seu texto, em não estar só ;)
beijo
Anônimo disse…
Muito bom Serginho! Sem contar as letrinhas que líamos antes e hj nem com óculos! Abraço Ricardo Azeredo
sergio geia disse…
Esqueci, Ricardo. Tbem tô nessa. Que Legal, Cris rsrs. Tamo junto. Bjs
Zoraya disse…
hahaha, Sergio, acho q vc precisa visitar também os Capuchinhos...

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …