Pular para o conteúdo principal

NÃO HÁ LUGAR PARA MISÉRIA >> Carla Dias >>


Está frio? Está frio.

Descobre o corpo daquele e daquele e daquele outro, que eles não têm direito de ser neste lugar. Para ser, aqui, é preciso mais do que essa balela de não ter como ser quem seja. É preciso abrilhantar e não mostrar a indecência dessa miséria. E nem adianta dar desculpa, porque se vive onde bandido vive, é bandido também. Tudo da mesma laia.

Espalhe-os, que assim fica mais fácil de esconder a existência deles. Vamos acertar o tom dessa vitrine. Tem de ficar digno de passarela.

Sim, está frio. Inverno nem chegou, mas a conversa fiada se antecipa. Direitos de quem mesmo? Humanos? Esse pandemônio criado para dificultar o trabalho de quem busca o justo, assim como manter tudo lindo, maravilhoso. Vai até ali, enxota aquele outro, que ele está atrapalhando a melhor vista da rua. Esses obstáculos nos fazem gastar tempo, mas vai valer a pena, porque a vitrine vai ficar um luxo só.

Não entendo esse melindre todo. Não era limpeza que eles queriam? Não era polícia prendendo bandido? Nem tente me convencer de que entre eles há inocentes, porque todo mundo tem chance nessa vida. A meritocracia está aí para provar isso. Faça com ela o que bem entender e aceite as consequências. Essas figuras aqui escolheram seu destino.

Tire aquela criança catarrenta dali, porque pode ofender os novos transeuntes. Criança catarrenta não combina com nossa campanha publicitária. Criança catarrenta e pretinha, então, é escolher jogar dinheiro fora. Tem a ver com racismo, não, viu? Nem tente botar culpa. É uma questão de público-alvo. É preocupação legítima.

Pede para a senhora ali conter o grito? Será que ela não vê que estamos trabalhando para tornar este um lugar digno? Lugar precisa de chance de se tornar digno, minha senhora. Portanto, deixe-nos trabalhar e trazer requinte para esse espaço, antes ocupado por desocupados e bandidos. O lugar merece tal cuidado.

Requinte é item da cesta básica social, não vê? Pense bem... As cidades mais lindas desse mundo são requintadas. Traremos para cá o melhor do melhor, o manjar. Só que, antes do trabalho árduo de deixar este lugar uma beleza, digno de recepcionar políticos, líderes religiosos e celebridades, precisamos que a senhora cale seu grito, porque ele é muito injusto. É claro que pensamos nas pessoas como a senhora. Óbvio que trabalhamos para pessoas como a senhora. Mas o problema é da senhora, quando se trata de não ter para onde ir. Veja bem, o espaço é público, só que não para a miséria. A miséria que a senhora carrega é letal para a evolução que planejamos para esse lugar. E os hotéis? Ah, serão cinco estrelas.

Está frio, a senhora está certa. Vou para casa me esquentar com um chocolate quente.

Como? Ah, não... Tenho nada a ver com o fato de a senhora não ter chocolate quente em casa. Oi? Ah, também não tenho nada a ver com a senhora não ter casa ou para onde ir. O que sei é que essa vitrine tem de ficar deslumbrante. Então, retire-se, minha senhora, que a sua miséria, eu já disse, não cabe mais neste lugar.

Imagem: Las Parcas © Francisco de Goya

Comentários

albir silva disse…
A gente já espera mesmo isso de certos governantes. O que dói mais são os aplausos. Os próximos aplausos serão para linchamentos.
Carla Dias disse…
Está cada vez mais difícil de não entrar numa discussão, em vez de uma boa conversa. O entendimento anda raro, Albir, e, infelizmente, é ele que coloca a casa em ordem.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …