Pular para o conteúdo principal

AI, MEU CORAÇÃO! - V >> Albir José Inácio da Silva

Continuação de 6 de fevereiro:

(Tentando trabalhar, Bóssi sentiu crescer a angústia pela falta de notícias. Sua mente divagou pelos antecedentes não muito recomendáveis do pupilo e pelos acontecimentos dos últimos dias.)

Foi assim que Bóssi encontrou Neném há vinte anos, desprezado e ameaçado por toda Tarietá, sem estudo, sem trabalho, sem perspectivas. Mas Bóssi sempre tinha perspectivas para todos.

Neném tinha dezessete anos quando entrou para o time do Tarietense, em mais uma tentativa da mãe zelosa comprar para o filho alguma direção na vida. Bóssi costumava assistir os treinos do clube. Aquele garoto não jogava grande coisa, mas era aguerrido, catimbeiro e disponível. Passava o dia no clube em conspirações e intrigas. Bóssi viu potencial.

De início pediu alguns favores, tarefas simples que o moleque cumpriu com diligência. Neném foi se aproximando com interesse pelo clube e paixão pela camisa.

Entre os amigos da sociedade tarietense não faltaram críticas ao novo ajudante, nada se ouvia de bom sobre ele. Mas como ele não estava procurando um relações-públicas, não deu ouvidos. Em pouco tempo Neném já era o seu braço direito. Tarefas que antes não podia confiar a ninguém encontraram em Neném um despachante determinado e sem escrúpulos. Não que tenha se emendado. Nada mudou na essência. Foi adestrado, dirigido e protegido por Bóssi.

Não se pode dizer que o plano era de Neném - incapaz de elaborações mais complexas. Mas a verdade é que Bóssi tentava superar a derrota nas eleições, quando um inconformado Neném vaticinou:

- Algumas vitórias podem fazer muito mal à saúde.

Daí em diante foi com Bóssi. Essa era sua especialidade. Voltaram ao clube, tinham saído sem falar com ninguém depois da apuração. Cumprimentaram Araquém pela vitória, Bóssi entregou-lhe as chaves e marcou uma reunião para o dia seguinte, antes da posse, para tratarem da transição. O resto já conhecemos.
                                          
Apesar da preocupação de Bóssi com os faniquitos do pupilo, ele se saiu muito bem e desapareceu na estrada. Mas agora a falta de notícias já estava dando nos nervos. Onde se meteu aquele moleque?
                                                                  
                                                                         O ACIDENTE

Naquela manhã Neném pulou na garupa da moto com o coração aos pulos. Era disso que gostava, esse era o seu talento. Quase agradecia a Deus por terem perdido as eleições. E agora agradecia mesmo o sucesso do dia em breves orações acompanhadas pelo sinal da cruz.

Talvez com ciúmes pela traição de uma alma que já considerava sua e agora se desmanchava em preces, uma entidade vingativa trouxe para o asfalto limpo e brilhante, naquela manhã de sol, um paralelepípedo. Por que um paralelepípedo, se não os havia num raio de quilômetros? Não sei, mas há quem diga que isso reforça o caráter sobrenatural do acidente.

Desgovernada, a moto se precipitou pelo declive suave de um bananal à margem da estrada e os ocupantes foram arremessados para cima antes de caírem no chão. O chão pedregoso estava então coberto de folhas e caules de bananeiras da última colheita.

O piloto se examinou sem achar maiores estragos. Só escoriações e uma torção no tornozelo direito. Quando a tonteira passou, pôde ver Neném caído muitos metros abaixo. Usando um galho como muleta, ele mancou até lá.

Neném acordou. Firmou-se nos cotovelos e levantou a cabeça. O piloto pode ver o sangue que lhe escorria do nariz, descia pelo queixo e encharcava o peito.

- Neném, você tá bem?

Neném baixou os olhos para o sangue que pingava no chão e deu um grito:

- Ai, meu coração! – e desmaiou de novo.

O outro entendeu que era dor no peito, pensou em infarto, e viu que o companheiro estava perdendo muito sangue. Era grave, precisava de ajuda.  Neném levantou de novo a cabeça e suplicou:

- Um padre! Preciso me confessar! – disse, já num fio de voz, e apagou.


(Continua em 15 dias)

Comentários

Zoraya disse…
"Talvez com ciúmes pela traição de uma alma que já considerava sua e agora se desmanchava em preces, uma entidade vingativa " MARAVILHOSO!. Beijos zangados por ter de esperar ainda outra quinzena!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …