Pular para o conteúdo principal

ENTÃO CHEGOU A TECNOLOGIA... >> Sergio Geia



Pode ser um saudosismo bobo, mas tenho saudades do tempo em que se ouvia o futebol pelo rádio. Às vezes, era apenas chiado; às vezes, o chiado se misturava com a narração; às vezes, a estação sumia; sem mais nem menos, voltava, e o jogo parecia tão disputado, mas tão emocionante, repleto de lances espetaculares, que tudo que queríamos no dia seguinte era assistir aos melhores momentos na televisão.
Lembro-me de um Palmeiras e Santos; no gol do Santos havia um uruguaio chamado Rodolfo Rodrigues, um goleiro extraordinário; o Palmeiras tinha um centroavante chamado Reinaldo Xavier, que havia jogado no Taubaté, e que hoje, pelo que sei, vive por aqui. O Santos ganhava, e faltando poucos minutos para o fim da partida, Reinaldo fez um gol espetacular, por cobertura, em cima do quase perfeito Rodolfo Rodrigues. Um gol maravilhoso, que se tornava maior na voz comovente do narrador José Silvério. A torcida gritava: “Rei! Rei! Rei! Reinaldo é o nosso Rei! Rei! Rei! Rei! Reinaldo é o nosso Rei!, e o Geia vibrava de alegria.
Outra lembrança doce que me chega agora era aquele sinalzinho do plantão do rádio informando a ocorrência de gol em outra partida. Você lá, concentrado no jogo do seu time, e o sinalzinho tocava; logo, o plantonista avisava que seu maior rival havia levado um gol; era tudo muito divertido e muito eletrizante.
Hoje todos os jogos são transmitidos pela televisão. Isso é uma coisa esplêndida, mas sepultou a fantasia, a mágica. Trata-se do mesmo fenômeno que ocorre quando a telona faz apequenar tudo o que você constrói de lugares, vilarejos, personagens e situações daquele romance lido.
Agora, que fique claro: em absoluto falo mal da tecnologia. Ao contrário, o avanço tecnológico, principalmente a chegada da internet, trouxe muita coisa boa pra muita gente. Lembro que ainda engatinhava no plano do Direito e se quisesse ter acesso a uma boa jurisprudência, tinha que fazer assinatura. Hoje, está tudo aí, disponível, à farta, de graça.
Esse deus representou uma verdadeira revolução na dimensão do conhecimento humano. Ele democratizou o acesso ao conhecimento. Somente quem viveu numa época em que não havia a internet tem condições de dimensionar o nível de transformação e de reprodução do conhecimento humano que ela representou...
Mas eis que tinha começado a escrever essas coisas havia dias (deixei-as lá, cozinhando), quando fui surpreendido nessa manhã por uma história interessantíssima contada pelo Milton Neves, no jornal “Pulo do Gato”, da Rádio Bandeirantes, que veio bem a calhar.
Eram histórias sobre os radioescutas. Esses jovens (normalmente eram jovens), durante a transmissão de uma partida, ficavam ouvindo os outros jogos da rodada; saindo gol ou ocorrendo algo importante, eles avisavam ao Milton, que, responsável pelo plantão esportivo da rádio, informava no ar. Com a internet, essa figura do radioescuta desapareceu. Eram dez ou doze, apertados, enfileirados, com fone de ouvido, cada um numa estação. Num sábado, José Silvério narrava Palmeiras e Guarani, e Milton, com sua equipe, acompanhava os outros quatro jogos da loteria esportiva, dentre eles, Flamengo e Madureira. Um radioescuta, estreante, de 17 anos, ouvia a rádio Globo, e tão logo começou o jogo, anunciou: “Gol do Madureira”. Milton deu a informação no ar, para susto do narrador. Alguns minutos depois: “Novo gol do Madureira”; o narrador levou outro susto e começou a se irritar (a chance de o Madureira fazer um gol no Flamengo dos anos 80 era remotíssima). Em seguida, o radioescuta levantou o braço: “Gol do Madureira”. Depois de Milton anunciar esse terceiro gol, o Silvério, inconformado, o chamou na técnica para a confirmação do resultado (o narrador não acreditava). Minutos depois de voltar ao estúdio o radioescuta não titubeou: “Gol do Madureira”. Foi quando Milton resolveu checar a informação, e aí a surpresa: “Placar Brahma Chopp no Maracanã informa: Campeonato Carioca de... Aspirantes”. Milton, envergonhado, tentou consertar o imbróglio, mas piorou a coisa dizendo no ar: “Atenção, Silvério: o árbitro no Maracanã acabou de anular os quatro gols do Madureira; o jogo não começou; vai começar daqui a uma hora...”.
Então chegou a tecnologia e tudo mudou... 
Ilustração: www.idocod.com.br

Comentários

Zoraya disse…
A tecnologia mudou tudo mesmo, Sergio, e de maneiras que, acho, nossa geração só vai entender quando tudo tiver mudado de novo...
sergio geia disse…

E numa velocidade...

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …